Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Pintor dos domingos

por António Canavarro, em 25.05.18

20180524_212329.jpg

 Sem título. técnica mista, Maio 2018

Fernando Namora, que no próximo ano celebra-se o centenário do seu nascimento, foi médico, escritor e, como escreveu ele, “um pintor dos domingos” [in “Encontros”; Publicações Europa-América, 1998, p.26 ]. É uma ideia interessante, e por duas razões: em primeiro lugar a sua vertente pictórica é pouco conhecida – eu próprio só o soube, quando há uns anos, visitei a casa onde nasceu, em 1919, em Condeixa-a-Nova. E por outro, porque regra geral a maioria dos pintores são “pintores dos domingos”, ou seja, a prática da “artiscidade” que justifica o próprio ofício de pintor é hoje uma raridade. Ninguém, ou quase ninguém vive da pintura ou da escrita, ou até da música. Por outras palavras, são necessário outros ofícios que nos façam sobreviver; de “ter os pés na terra”.

Porém, nem sempre foi assim. O conceito de “artiscidade” é fruto do renascimento onde eles, sejam pintores, escultores ou até arquitectos, estavam como que “obrigados” a pintar ou a esculpir. Eram na sua essência artesãos, e nesse sentido, mesmo que fazendo coisas belas – veja-se o tecto da Capela Sistina ou qualquer outro trabalho de Miguel Ângelo, como as obras de Leonardo da Vinci – estas foram feitas por compromisso: entre o artesão e quem o contratou.

De facto foram feitas coisas lindíssimas que ilustram qualquer livro da História da Arte, porém estou convencido que ainda não existia neles uma consciência estética. Havia sim a obrigação pelo belo e pela funcionalidade, caso contrário “morreriam à fome”.

A meu ver a estética ou a consciência estética da arte surge quando os artistas se revoltam com o real, quando a arte perde o sentido aristotélico de “imitação da vida”. Ou seja, a arte como discurso, e é nestes moldes que entendo a estética, surge no século XX, quando e à boleia de Oscar Wilde, ele escreveu que a “vida imita a arte muito mais do que a arte imita a vida”, assumindo o “lado da mentira” bem patente em movimentos artísticos da passada centúria: surrealismo, cubismo, abstraccionismo, etc.

Acontece que nos últimos tempos tem surgido obras hiper-realistas, onde o primor técnico é a todos os níveis louvável. Porém será isso arte? Mimi Fogt – cuja parte significativa da sua obra está patente na Casa-Museu Passos Canavarro – que era uma pintora figurativa, e por vezes desacreditada pelo sistema – afirmava que um dia haveria um retorno, que haveria um regresso ao figurativo, e, por assim dizer ao real. Creio que ela teve razão, porém esta inversão no discurso artístico é mais fruto dos tempos que se vivem, em que as pessoas necessitam do real, de terem os pés na terra, do que de uma tendência artística propriamente dita. As pessoas – veja-se como se olha a política actual – estão fartas da mentira, da mentira que foi terreno artístico muito fértil.

A situação tem para mim,  um pintor dos domingos por excelência, uma outra leitura e que de certa forma sugere um confronto entre o pintor encartado, com currículo académico, dos demais aventureiros dominicais. Efectivamente se um zé-ninguém não pode fingir o que não é, i.e., só pode fazer actos médicos quem tiver habilitações, por que razão pode esse mesmo zé-ninguém pintar? A resposta está no outro. Não está naquele que pinta. Porque para pintar basta ter umas telas, uns pincéis e umas tintas. Está sobretudo na sua exposição, e existência. Em suma, um pintor nunca depende de si. Depende de quem lhe dá existência. Ou sejam: os galeristas, os leiloeiros, etc. Até lá, e falo por mim, sinto-me feliz – embora já tenha exposto – em pintar os domingos, e quiçá os outros dias da semana. Se assim for um dia ainda poderei ser conhecido como tal, pondo o amadorismo na gaveta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:52




Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •