Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O mundo está em ebulição e Portugal aqui no meio

por Maria Teixeira Alves, em 08.07.15

Portugal começou a percorrer a sua tormenta em 2011, mas a semente do mal já vinha de trás, pelo menos de 2008. Mas tal como acontece com os países assim-assim, quando vai ao fundo, nunca vai fundo demais, e quando é época de abundância passa pelas euforias apenas ao de leve e apenas superficialmente. 

Hoje está aqui esquecido, nem tão mal como a Grécia, mas longe de estar perto até da vizinha Espanha. É o eterno remediado. 

 

O mundo está em ebulição, e isto não vai melhorar. Portugal contava com o investimento estrangeiro para substituir o investimento público e privado que escasseia, por falta de capital. Começou por depositar todas as esperanças em Angola. Os angolanos eram o Dom Sebastião que vinham salvar o consumo interno, e que iam salvar as empresas moribundas da falência anunciada. Muita dívida e pouca receita. Assim vimos o BCP com capital angolano. O BPI viu fugir o Itaú e logo Isabel dos Santos e a sua Unitel se substituíram. A NOS, os jornais SOL e I, a braços com grandes dificuldades, foram comprados por angolanos. A Controlinveste estava com muita dívida bancária e pouca receita, e logo um angolano Mosquito vem em socorro. Angola era a salvadora da pátria que foi sua metrópole. A Efacec estava falida, Isabel dos Santos comprou.

Mas logo o excesso de oferta de petróleo e a falta de procura arrastaram o preço petróleo para quedas que levaram consigo a desvalorização da moeda angolana face ao dólar. Para agravar a situação a União Europeia deixou de aceitar os bancos angolanos como equiparados em regulação ao europeus. Resultado o risco Angola passou a 100% nos balanços dos bancos. Para já não falar que esse risco encareceu o financiamento bancário internacional para Angola. 

Angola ficou sem dólares de sobra para andar a brincar ao capitalismo transfronteiras e sem capital alheio para alavancar o investimento.

Então vieram os chineses. De repente a China era o milagre que ia salvar as empresas portuguesas, descapitalizadas e endividadas, da crise. Vinham comprar, comprar. Entraram na EDP, na REN, compraram a Fidelidade. Assinaram a compra do BESI. Apresentaram-se para comprar o Novo Banco. Querem os bancos BPG, Banif, espreitaram o Efisa. Olham para as seguradoras. Olham para os hotéis, querem entrar no turismo. E zás, logo agora que nos íamos transformar numa chinatown eis que a bolsa de Xangai põe a China à beira de uma crise financeira desenfreada com consequências ainda imprevisíveis.

O mundo está então assim:

O mundo muçulmano (países à volta da Europa) tem de lidar com o terrorismo do Estado Islâmico e com o seu califado. 

A Europa está à beira de um ataque de nervos com a possível saída da Grécia do euro, e das consequências que daí podem advir. Nomeadamente o empobrecimento avassalador da Grécia, ao ponto de ser preciso ajuda bumanitária.

A Polónia que queria o euro, diz que agora a adesão vai a referendo. 

A Inglaterra também vai discutir a permanência na União Europeia em referendo. 

A China à beira de um crash semelhante ao dos Estados Unidos de 1929.

O Brasil está em ponto de rebuçado para ter uma crise.

Para onde é que nos podemos virar? Para a Noruega? Para a Suíça? Para os Estados Unidos? Para a América Latina espanhola?

Começa a ficar apertado o mundo. 

Pensar que tudo começou nos Estados Unidos e no seu subprime, com a falência em 2008. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:08


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •