Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O mundo está em ebulição e Portugal aqui no meio

por Maria Teixeira Alves, em 08.07.15

Portugal começou a percorrer a sua tormenta em 2011, mas a semente do mal já vinha de trás, pelo menos de 2008. Mas tal como acontece com os países assim-assim, quando vai ao fundo, nunca vai fundo demais, e quando é época de abundância passa pelas euforias apenas ao de leve e apenas superficialmente. 

Hoje está aqui esquecido, nem tão mal como a Grécia, mas longe de estar perto até da vizinha Espanha. É o eterno remediado. 

 

O mundo está em ebulição, e isto não vai melhorar. Portugal contava com o investimento estrangeiro para substituir o investimento público e privado que escasseia, por falta de capital. Começou por depositar todas as esperanças em Angola. Os angolanos eram o Dom Sebastião que vinham salvar o consumo interno, e que iam salvar as empresas moribundas da falência anunciada. Muita dívida e pouca receita. Assim vimos o BCP com capital angolano. O BPI viu fugir o Itaú e logo Isabel dos Santos e a sua Unitel se substituíram. A NOS, os jornais SOL e I, a braços com grandes dificuldades, foram comprados por angolanos. A Controlinveste estava com muita dívida bancária e pouca receita, e logo um angolano Mosquito vem em socorro. Angola era a salvadora da pátria que foi sua metrópole. A Efacec estava falida, Isabel dos Santos comprou.

Mas logo o excesso de oferta de petróleo e a falta de procura arrastaram o preço petróleo para quedas que levaram consigo a desvalorização da moeda angolana face ao dólar. Para agravar a situação a União Europeia deixou de aceitar os bancos angolanos como equiparados em regulação ao europeus. Resultado o risco Angola passou a 100% nos balanços dos bancos. Para já não falar que esse risco encareceu o financiamento bancário internacional para Angola. 

Angola ficou sem dólares de sobra para andar a brincar ao capitalismo transfronteiras e sem capital alheio para alavancar o investimento.

Então vieram os chineses. De repente a China era o milagre que ia salvar as empresas portuguesas, descapitalizadas e endividadas, da crise. Vinham comprar, comprar. Entraram na EDP, na REN, compraram a Fidelidade. Assinaram a compra do BESI. Apresentaram-se para comprar o Novo Banco. Querem os bancos BPG, Banif, espreitaram o Efisa. Olham para as seguradoras. Olham para os hotéis, querem entrar no turismo. E zás, logo agora que nos íamos transformar numa chinatown eis que a bolsa de Xangai põe a China à beira de uma crise financeira desenfreada com consequências ainda imprevisíveis.

O mundo está então assim:

O mundo muçulmano (países à volta da Europa) tem de lidar com o terrorismo do Estado Islâmico e com o seu califado. 

A Europa está à beira de um ataque de nervos com a possível saída da Grécia do euro, e das consequências que daí podem advir. Nomeadamente o empobrecimento avassalador da Grécia, ao ponto de ser preciso ajuda bumanitária.

A Polónia que queria o euro, diz que agora a adesão vai a referendo. 

A Inglaterra também vai discutir a permanência na União Europeia em referendo. 

A China à beira de um crash semelhante ao dos Estados Unidos de 1929.

O Brasil está em ponto de rebuçado para ter uma crise.

Para onde é que nos podemos virar? Para a Noruega? Para a Suíça? Para os Estados Unidos? Para a América Latina espanhola?

Começa a ficar apertado o mundo. 

Pensar que tudo começou nos Estados Unidos e no seu subprime, com a falência em 2008. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:08




Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •