Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Notas sobre uma boa decisão!

por António Canavarro, em 28.11.17

 

1| As principais instâncias da União Europeia, o Conselho e o Parlamento Europeu, designaram o ano de 2018 de Ano Europeu do Património Cultural. A Decisão (UE) n.º 2017/864 não é inocente, pois reflecte os tempos que se vivem no “velho continente”: “Os ideais, os princípios e os valores integrados no património cultural da Europa constituem uma fonte comum da memória, da compreensão, da identidade, do diálogo, da coesão e da criatividade para a Europa. O património cultural desempenha um papel importante na União Europeia e o preâmbulo do Tratado da União Europeia (TUE) estabelece que os seus signatários se inspiraram «no património cultural, religioso e humanista da Europa».

Esta é claramente uma opção política que tem diversos destinatários: internos e externos, e pode a meu ver ser vista como um convite ao federalismo. Não há nenhum federalismo possível que não tenha uma base cultural e patrimonial. No entanto, este ideal, e eu sou pró-federalismo, tem as suas falências se entendermos que a Europa é assimétrica, i.e., com culturas distintas e desde sempre em constante confronto. Por outro lado, é uma clara mensagem contra os atentados terroristas que o continente tem sido alvo, e cujos receptores “vivem cá dentro”! Porque, se é verdade que fruto do progresso e das ideias que por aqui fortificaram somos um continente laico, as referências ao «património cultural, religioso e humanista da Europa» não são inusitadas. O tempo passava e nós teimávamos em não reagir!

Com efeito este ano celebramos o património cultural europeu, o que quer dizer a nossa identidade, primeiramente como portugueses e, numa maior escala, enquanto europeus. Se a primeira é historicamente condicionada, a “identidade europeia futura” só existe enquanto acréscimo – ou como diríamos hoje – como “upgrade” das nossas identidades locais. E este “salto” só será possível quando os povos tiverem consciência de si mesmo – de se conhecerem a si mesmo”, e que, portanto, tenham memória. Sem memória não há património que resista!

2| Tradicionalmente, desde Roma Antiga”, o termo património confunde-se com o vocábulo latino “patrimonium” que, então, tinha quase exclusivamente uma interpretação jurídica, pois tinha o objectivo de regular os bens susceptíveis de serem legados por um cidadão a outro e a outros. Ora, tratava-se de uma visão limitada, e “fora da história”, de se entender uma realidade que os tempos tornaram evolutiva. Actualmente, o conceito de património não é algo de exclusivamente materialista. Hoje é corrente referir e defender a sua “imaterialidade” por muito que este exercício se tenha banalizado!

Durante muitos anos criticou-se a construção europeia por ter ignorado as suas bases: os cidadãos e as diversas culturas europeias. Para o filósofo Xavier Tilliette sem “um espírito europeu que, por enquanto, sopra quase sem se ouvir, é impensável uma política comum”. (1999; p.33). Muitas vezes, património é sinónimo de história. Ora, como é possível que exista paz neste continente, quando ele era visto como “sinónimo de morte”? E se traduzia, nas palavras de  Paul Valéry, na “luta de morte da alma europeia”? É preciso recordar, neste contexto fúnebre, a genialidade de Dostoiévski, quando, em “Os Irmãos Karamazov”, põe Ivan a dizer: “Sei que me desloco para um cemitério, mas é o mais agradável de todos os cemitérios”!

A história europeia não é fácil, e assemelha-se mesmo a um disco riscado. Esta propensão para o horror está nos nossos genes. Foi precisamente isto que André Malraux disse, na Sorbonne, nos escombros da II Grande Guerra: “… de século para século o mesmo destino mortal vem constantemente dobrando os homens; todavia igualmente se século para século, nesse mesmo lugar que se chama Europa e só nesse lugar, esses homens dobrados pelo destino ergueram-se de novo, para incansavelmente avançarem pela noite dentro...”!

Ao fazermos este retracto do nosso continente, e por arrasto da nossa memória colectiva, estamos a falar em crise, já que “a consciência europeia é uma consciência em situação crítica (…). Falar da Europa é praticamente falar de crise e da urgência em invoca-la”!

Ao fazermos este retracto do nosso continente, e por arrasto da nossa memória colectiva, estamos a falar em crise, já que “a consciência europeia é uma consciência em situação crítica (…). Falar da Europa é praticamente falar de crise e da urgência em invoca-la”! Porém, nem todas as crises são por princípio más. Não somos chineses, porque se fossemos a situação até seria fácil de ser resolvida, porque esse vocábulo é composto por dois caracteres, em que um representa perigo e o outro representa oportunidade. Ou seja, não há nesta pertinente decisão um convite à crise, como representação de uma oportunidade para Europa voltar a ser grande?

E concluo citando George Duhamel, quando em 1930 escreveu: "tenho a certeza que a Europa será feita ou desfeita por grandes perigos. Não terá escolha, ou se revela ou morre"!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:45


1 comentário

Imagem de perfil

De António Canavarro a 28.11.2017 às 19:05

A este propósito há um texto, publicado em 1999 pelas edições Cosmos, que tem um título bem sugestivo, e é particularmente pertinente:
"A Europa como tema e tarefa da filosofia", de Hans Michael Baumgarterner, se bem que de ideias estamos cheios (e fartos), já que o manda é a política, pura e dura!

Comentar post




Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •