Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Joaquim Goes, o único sem agendas pessoais

por Maria Teixeira Alves, em 23.12.14

De todas as audições da Comissão Parlamentar de Inquérito ao caso BES a única limpa é a de Joaquim Goes. E perguntam vocês, limpa de quê? Limpa de agendas próprias, de recados, de rancores, limpa de objectivos. 

Joaquim Goes, não vinha com alvos na manga, nem vinha com vinganças e ajustes de contas na agenda, nem vinha com protegidos a defender. Vinha simplesmente responder às perguntas com o máximo da objectividade, sinceridade e técnica. É o único que parece perceber tanto de banca que não tem de provar que tem imensos conhecimentos técnicos, nem ofuscar com termos técnicos e anglicismos, é o único que não tem de ofuscar com indignações e espantos, 

O que disse de interessante? Desde logo desmontou os argumentos de Álvaro Sobrinho.

Angola era o quinto maior país importador. É natural que sejam dadas cartas de crédito abertas a favor de entidades exportadoras portuguesas a pedido das importadoras angolanas. Mas ao contrário do que foi dito (por Álvaro Sobrinho) isso não explica a grande parte dos créditos problemáticos (incobráveis) do BESA.

Até que ponto o BESA controlava a actividade dos clientes importadores? Saberia o BESA se essas entidades tinham actividade que justificasse os pedidos de cartas de crédito? 

Álvaro Sobrinho também disse, na sua audição a 18 de Dezembro, que o BES tinha uma linha de financiamento com 3,3 mil milhões de euros ao BESA mas que esse valor nunca chegou ao BESA e que, além disso, teve de pagar juros de 700 milhões de euros. "Pode ficar depreendido que o BES, como um todo, estava a tirar partido dessas taxas. Mas não é assim", comentou Joaquim Goes, rejeitando a ideia: "não quer dizer que os juros tenham sido pagos (pelo menos metade dos 700 milhões não foram)". Podem ter sido acrescentados à própria linha, admitiu. "os juros (devidos pelo BESA ao BES ) foram acumulando. Uma parte significativa do aumento da exposição foi por esta via". 
O aumento da exposição do BES à ESFG. No fim de Junho Ricardo Salgado deu uma ordem ao BES para reforçar a garantia dada pela ESFG ao banco Nomura, que tinha sido dada para um empréstimo à holding financeira do GES. Tinha dado 5% do BES, mas a desvalorização das acções fez com que o momento trigger fosse atingido e o CEO do banco deu uma instrução directa para o banco reforçar a garantia. Violando assim a regra imposta pelo Banco de Portugal.

Defendeu, pela primeira vez alguém o fez, que devia ter sido dada a mesma atenção que foi dada ao BES à ESFG. Devia também aqui ter sido criada uma comissão para partes relacionadas, por exemplo. Foi aqui que tudo começou a falhar, porque a exposição da ESFG ao GES não cumpriu as recomendações do Banco de Portugal.

Sobre a Escom revelou que apesar de a venda ter ficado adiada, contabilizou-se como tendo sido feita e por isso a Escom escapou às limitações enquanto parte relacionada (e à respectiva comissão de acompanhamento das partes relacionadas). Só em Julho é que foi reconhecida a exposição do BES à Escom. 

A Promovalor de Luís Filipe Vieira, cliente do BES, vendeu alguns activos à BES Vida. Os créditos de 600 milhões do BES ao presidente do Benfica foram reestruturados.

Estas e muitas outras novidades fazem da audição a Joaquim Goes a mais importante.

Joaquim Goes explicou ainda que a nota dada ao risco de incumprimento da ESI andava na casa de 1% para um ano, mas podia ir até 5,5%. E que a ESI tinha uma situação positiva no fim de 2012, pelas contas então conhecidas.

Explicou que Ricardo Salgado pediu directamente ao director do risco o rating da ESI em 2012. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:33


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •