Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Zeinal Bava quando questionado porque a PT aplicou cerca de 500 milhões de euros na dívida da ESI, uma empresa sem avaliação de risco, sem rating, respondeu que a ESI era dona da ESFG que tinha rating da Moody´s e da Fitch. «Então porque é que não investiram na dívida da ESFG?», perguntam-lhe. «Porque a mãe era ESI era dona da ESFG, que tinha um rating, a ESI tinha contas também». 

Há provas finais de que, caso a ESI não cumprisse, o BES pagava? «Eu não tenho essas provas. A parceria estratégica dava-nos o conforto de que iriam cumprir». «Tínhamos administradores comuns, BES e PT»

«Lembro-me de haver, há muitos anos atrás, essa preocupação de haver cartas conforto do BES».  

«Com certeza que a equipa tinha uma noção do que era o risco [da ESI]».

– É estranho que fale das contas da ESI, uma vez que o relatório da PwC refere que o prospecto da emissão de dívida da ESI que a PT subscreveu quando ainda era CEO, em 2013, apenas continha as contas da ESI de 2010 e 2011...

«Estranho em que aspecto?», pergunta para responder. Disse depois de muito pensar: «As contas de 2012....». Gaguejou. É interpelado: «a Price diz...». Responde: «Eu não tenho o relatório da Price, tenho apenas o resumo». 

«Havia da parte da PT a convicção que era tudo investimentos no nosso parceiro. Para nós era risco BES, que era o parceiro da PT».  «Havia um histórico, sempre pagaram, e essas  aplicações foram reembolsadas. Foram pagas».

Para Zeinal Bava toda a resposta à aplicação da tesouraria da PT no GES tinha origem no acordo de parceria estratégica com o BES assinado em 2000, quando ele ainda não estava no board.

Zeinal Bava claramente vinha preparado para responder pela aplicação da PT em papel comercial da Rioforte que é aquela que ocorre depois da sua saída da PT (4 de Junho de 2013) para a Oi. O foco da sua preparação era desmentir a sua responsabilidade na compra da dívida da Rioforte. Depois de sair da PT SGPS foi para a Oi dedicar-se à parte operacional e desligou-se da PT SGPS (por causa do conflito de interesse).Não sabia, não estava lá, etc, nem tinha que saber, por causa desse conflito de interesse. Fez questão de explicar que a PT Portugal só passou a gerir os excedentes de tesouraria a partir de 5 de Maio de 2014, antes disso era decidido na PT SGPS (era isto que queria explicar para demonstrar que não tem nada a ver com a aplicação da Rioforte que levou a PT à falência).

Zeinal não pensou que o confrontassem exaustivamente com as aplicações da PT SGPS na ESI e outras empresas do GES até 4 Junho de 2013, quando ainda era CEO da PT.

Até ao dia 4 de Junho não houve reparos aos investimentos da PT na ESI. Disse Zeinal como que em resposta ao relatório e reparos da PwC feitos mais tarde.

Ninguém assinou os documentos que autorizam os investimentos da PT no GES. Nem o director de finanças corporativas, nem o CFO, nem o CEO, conforme regulamentos internos. 

Zeinal disse: «havia uma relação de confiança com o BES e a CGD e é normal que um documento que não chegue de manhã e chegue à tarde»

Zeinal sempre que a pergunta era mais difícil, tentava fugir para a dimensão da PT e do número de clientes que tinha, etc. para a parte operacional, tal e qual como fazia nas conferências de imprensa. 

Dominou o inquérito quando o tema foi puramente financeiro. Disse com desenvoltura quando questionado porque é que a PT emitiu divida de mil milhões para depois investir 500 milhões no GES. Explicou à deputada que esta estava a comparar erradamente os preços de dívida a 7 anos com os preços da dívida a dois ou três meses. O preço de um empréstimo a sete anos (emissão da PT) não pode ser comparado ao preço de um empréstimo a dois meses (ESI), onde a PT aplicou metade desses mil milhões emitidos a uma taxa de quatro e tal por cento.

Discutiram a diferença entre excedente de tesouraria e flexibilidade financeira. «Excedente de tesouraria é ter mais dinheiro do que o eu preciso. Flexibilidade financeira é alargar prazos de financiamento, não é o mesmo que excedente de tesouraria».

Zeinal Bava tentou a todo o custo evitar dizer que foi o CFO Luís Pacheco de Melo (de quem é amigo) quem aprovou os investimentos na ESI.

Remeteu para os procedimentos internos. Em 2004 decidiu-se que se os investimentos de tesouraria fossem em empresas com participação qualificada tinha de haver um escrutínio ex-ante da comissão de auditoria. A ordem de 2004 delegava em qualquer um dos três - CFO, CEO, ou director de finanças corporativas - aprovar essas aplicações.

Em 2010 a comissão de governo, para flexibilizar, isentou, para excedentes de tesouraria, essa obrigação (deixou de ser um dos três a ter de aprovar essas aplicações). E foi o que se viu... 

 

publicado às 01:27


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •