Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

1| Tenho, com o avançar da idade, questionado a minha existência, sabendo que a única coisa certa é a morte. Com efeito, e tal dizia uma personagem de “O memorial do convento”, nascemos para morrer! Portanto, esta percepção do fim, tornou a questão da minha existência primordial. Não tanto numa visão retrospectiva, porque o passado já lá vai, mas numa perspectiva de presença e sobretudo de redefinição, dos caminhos a serem traçados para que tenhamos a melhor vida possível. Ou seja, estamos na situação de um condutor, que sem um mapa, ou qualquer tipo de orientação, vê-se perante uma bifurcação e o dilema que caminho tomar, sabendo que a sua vida se resolve com a solução deste dilema existencial, ou seja, o que é “preciso de fazer para saber viver”?

Com efeito, é parente a necessidade de escolha, e de orientação, que as filosofias existencialistas, embora com diferentes nuances, ganharam lastro. Por outro lado, e não obstante a individualidade “celular” de cada um, a verdadeira existência individual só ganha dimensão quando inserida num espaço mais amplo. Ou seja, da mesma forma que uma célula não faz o todo, pois um órgão é composto por inúmeras células, a nosso existir só tem sentido quando inserido num campo mais amplo, já que a nossa existência dilui-se também no todo. Por outras palavras: “pode muito bem acontecer que tornar-se objecto para o outro seja condição da minha existência real”. [Jean Lacroix, Crise da Civilização, Crise da Sociedade, Morais Editores, 1968, p.50]

O homem como dizia Aristóteles é um “animal político”. Esta proposição é válida na medida em que todos somos seres sociais. Porque, e mesmo que os nossos actos sejam, de per si, individuais, como comer, tomar banho ou decidir, estes ganham maior dimensão, passando a existir, quando expostos na realidade de que somos parte, quando actores “teatro da existência”: “Expor-nos a nós mesmo, entrar na encenação de si mesmos é sair de si próprio. (…) Expor-nos a nós mesmo numa cena que finalmente se desvela é o maior desejo dos homens” [Aldo Gargani; “O texto do tempo”, Edições 70, p.41]! Só com esta “encenação de si mesmo”, a humanidade salva-se, ou seja, “saindo do eu que era a falsificação da sua vida”. [idem]

Esta ideia é extremamente verdadeira. A história ao longo dos tempos prova que muitas pessoas, num determinado momento da sua vida, e perante as mais diversas bifurcações – mesmo com erros de percepção e arrependimentos – optaram por outras vias. Quantos de nós, quando confrontados com a realidade, não optamos por outros caminhos? A realidade não é uma coisa monolítica, tem outros ângulos, pelo que por vezes se olharmos o mundo de outra forma iremos ver melhor.

A razão só nos é útil se a combinarmos com as nossas capacidades sensitivas!

 

2| O homem é um animal político e a política é uma arte nobre. A política está também repleta dos mais diversos actores. Assim, e através das suas mais diversa práxis, ela é igualmente existencial. Desde logo porque como tem forma e conteúdo as decisões políticas surtem efeito na sociedade.

Na política, como na comunicação ou inclusive na arte, há emissores e receptores, pelo que os espectadores ou, se preferirem, a sociedade civil, deveriam ter direito às suas representações. Isto é, deveriam saber existir e existir em conformidade com o seu papel. E este é precisamente o problema da sociedade civil em Portugal e nos países em que a democracia não é (ainda) perfeita. Há demasiada letargia!  

Tal advém de uma usurpação dos “palcos da vida”, já que os espaços ideias de acção e de sentido de pertença foram usurpados, levando há falsificação da verdade democrática. Dando a ideia absurda que só os partidos são os guardiões dos valores democráticos. Situação contra-procedente e com os efeitos que se fazem sentir na sociedade: o afastamento das pessoas dos ideias democráticos, levando ao abstencionismo, e no pior dos casos à emergência dos movimentos totalitários e/ou populistas.

Com efeito, os partidos políticos usurparam o nosso campo de acção, a coisa pública. Na Sociedade Civil, mas só por motivos de estratégia política, só escapam os sindicatos, que funcionam exclusivamente como braço das organizações políticas!

 

3| A política no entanto não é uma coisa estanque, tipo pronto-a-vestir. Vive das diferenças. Vive de ideias e de ideologias. Nem todos vêem a “res publica” sob o mesmo prisma. E felizmente que assim é. Para que serviria a democracia se fossemos todas ovelhas ou cegos e/ou na esperança que aparecesse alguém com um olho?

A democracia, na realidade, é uma competição que tem como troféu o Estado. Isso é verdade, porque a vida em sociedade é um jogo. Cada um age de forma a maximizar os seus ganhos. É uma verdade desportiva, económica, política, etc.

Politicamente, e já o provei “cientificamente” em alguns testes elaborados para o efeito, sinto-me bem no centro, como comungo dos ideais personalistas, que no nosso país fazem parte da “genética” social-democrata, o que não quer dizer que tenham existido desvios e, inclusive, surjam novas forças a reclamar o seu quinhão.

Sou personalista porque sublinha o papel da parte no todo. Que todos somos agentes da construção da realidade. Que a nossa existência só válida quando formos actores neste teatro a existência, e quando – agora numa perspectiva cristã – tivermos a capacidade de saber amar o outro!

No lado oposto está o intervencionismo, e a banalização do eu. Nesse lado oposto estão aqueles que se dizendo democratas, a democracia tem as suas horas e os seus dias. Em suma, para estes, ela esgota-se nas urnas!

São posições totalitárias que provocam urticária. São partidos que usurparam o nosso espaço de cidadania e agem conforme as suas agendas e a contingência dos seus interesses.

 

4| Um excelente exemplo de personalismo é o associativismo, já que é o espaço por excelência de partilha pela defesa do objecto que a associação promove. Porém, e porque vivemos em tempos de virtualidade, de “existência à distância” e, natural, individualismo, o associativismo está em crise. Ou seja, urge o ressurgimento das ligações sociais, e, consequentemente, da nossa (re)existência.

Do que me é dado a ver, e tenho que naturalmente de condenar, há uma tendência em Santarém, porventura em outros lados também,  da usurpação destes espaços pelas forças política falhadas, e que nestes teatros dão existência aos seus ressabiamentos políticos, e, de a troco de nada, subverterem o que de bom foi feito em prol do associativismo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:15


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Marcu a 13.10.2018 às 20:15

https://mariateixeiraalves.blogs.sapo.pt

Comentar post




Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •