Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Da eutanásia

por António Canavarro, em 29.05.18

800.jpg

 

Neste blog as questões ditas fracturantes têm sempre a mesma resposta: somos do contra. Contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo, adopção por casais homossexuais, o aborto, etc.

Regra geral, e embora de forma mais moderada, alinho com este estar. O mesmo, creio bem, tipo de pensamento aplica-se à eutanásia, mesmo existam excepções (pois bem sei que sim). Ora, é precisamente a este nível que tenho muitas dúvidas sobre este procedimento, que a ser aceite, médico. Ora, as pessoas que estudam para serem médicos estudam para salvarem vida, e não o contrário. Ou será que, doravante, eles também irão aprender a como matar alguém?

A fazer fé no que Henrique Raposo escreve, a eutanásia serve para purificar a sociedade de pessoas indesejáveis, como os dementes, os ideosos, etc: “A eutanásia e o suicídio assistido entram no campo do mal absoluto quando abrem a porta à dor ou incapacidade psíquica. É uma rampa deslizante sem fim à vista mas que está à vista de todos na Bélgica e na Holanda. Na Holanda, só no ano passado foram mortas 166 pessoas com demência. Como é que esta barbaridade já é possível na realidade? Como é que esta atrocidade foi concebível no campo das ideias morais? Como é que se pode aplicar a eutanásia a pessoas que por definição são incapazes de tomar decisões conscientes e racionais, como são os casos dos doentes com demência (Alzheimer), autismo, esquizofrenia?”

Não conheço no pormenor a lei que irá ser votada, nem me parece nada bem que uma lei como esta – como deveria ter acontecido com as questões fracturantes – passe num parlamento, com os mesmos procedimentos, com que são votados assuntos de menor relevância. Deveria de existir, para casos como este, um referendo. Por outro lado, e imaginando que a lei é aprovada, como irá reagir a classe médica perante uma questão que no mínimo é contra-natura? Terão eles direito à objecção de consciência?

E no meu caso, ou seja, em que me detectada uma doença incurável terei direito a um suicido médico assistido, não me tornando o peso para os meus filhos e para sociedade?

Ficam estas questões. Porém, por princípio sou contra a eutanásia!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:03




Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •