Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Calores

por António Canavarro, em 27.07.16

 

Os calores estivais de Julho levaram Marcelo Rebelo de Sousa a ouvir, esta semana, os partidos políticos com assento parlamentar. Na visita que fez, no passado fim-de-semana, a Celorico de Basto ele justificou a iniciativa: "como é habitual em todos os meses de Julho, - não sei se por cansaço, se é porque está a acabar o trabalho do Parlamento, se é porque há ali um espécie de acerto de contas a fazer em relação ao passado preparando o futuro – há uma subida de temperatura nos actores políticos”. Em suma: estão todos com a cabeça quente.

E é no verão que, de facto, as pessoas optam por tirar as suas férias anuais: é a praia, é o fim dos anos lectivos e é sobretudo o calor. E o calor em demasia não é bom. Frita os miolos!

Porém, mesmo em latitudes bem mais temperadas das que se fazem sentir por aqui o verão é quente, e consequentemente as reacções não são as mais ponderadas. Até hoje os ataques terroristas tinham sobretudo um leitura política, e eram feitos como reacção às acções dos ocidentais no médio oriente. Não havia até hoje uma componente religiosa. O alvo era a política ocidental e não a sua fé, o cristianismo.

Com o atentado de ontem em que foram feitos reféns numa igreja na Normandia e, principalmente, “martirizaram” um sacerdote, degolando-o, o caldo está entornado!

Nessa latitude temperada, e um pouco por todo o lado, para tanto basta ler o que foi escrito um pouco por todo o lado, as cabeças estão quentes. Tornado as nossas vidas em verdadeiros infernos. E mesmo não ter fé, o rótulo de agnóstico ou de ateu não é um “salvo conduto”. Somos todos farinha do mesmo saco. Há mais de uma década recordo-me de ter jantado com um célebre oftalmologista e académico francês. Era assumidamente um descrente. Não obstante disse-o em alta voz: “No dia em que for necessário pegar numa arma para defender a nossa civilização falo-hei”!

Espero que não faça, que ninguém o faça. Não vamos tornar isto numas novas cruzadas. É preciso dar tempo ao tempo, e obrigar que quem de direito reaja conforme. O que passará – já o escrevi aqui – por um aprofundamento político europeu rumo a um consequente federalismo. Quiçá há males que vem por bem.

Um futuro ideal feito a fogo e sangue!

publicado às 11:23


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.07.2016 às 11:53

Muito bom.
Sem imagem de perfil

De historiador a 27.07.2016 às 11:56

Mas a história da Europa sempre foi feita a fogo e sangue.
Por outro lado, prova que a história não tem fim como diziam alguns iluminados!
Imagem de perfil

De António Canavarro a 27.07.2016 às 11:57

Concordo consigo. De facto a história não tem fim.
Imagem de perfil

De António Canavarro a 27.07.2016 às 12:27

Convido a que leiam: http://www.dn.pt/opiniao/opiniao-dn/anselmo-borges/interior/o-dever-moral-de-ser-ateu-5307397.html

E nesta crónica, que variar é excelente, destaco:
"Antes de sermos crentes ou não, o que nos une a todos é a humanidade comum, de tal modo que, face a um deus que legitimasse a violência, o ódio, matar em seu nome, haveria, para sermos humanamente dignos, um dever moral: ser ateu."

Padre Anselmo Borges DN 27/7/16

Comentar post




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •