Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Azul, a cor que corta

por António Canavarro, em 19.01.17

 

Recentemente fui convidado a refletir sobre a onda de censura que paira no jornalismo português. Disseram-me que, conforme as tendências ou linhas editoriais, o “lápis azul” está de volta. Creio bem que nunca desapareceu.

Dizem: No Público corta-se à esquerda. No Diário de Notícias à direita, mesmo, que nesse centenário matutino, e em prol de uma suposta liberdade de imprensa e de pensamento, algumas das referências morais pairem. Cheguei mesmo, a ler na página do Facebook de uma certa jornalista, cronista e amiga conservadora, a forma carinhosa com que o diretor a tratou: “a minha reacionária favorita”!

Porém, o elo central deste “problema” é mesmo a palavra. Porque se “desnuda” nada vale quando transcrita, dita ou tele-visionada o cenário é outro, porque “muda evidentemente de destinatário e portanto de sujeito, pois não há sujeito sem Outro”. Neste caso, o campo de ação lápis é particularmente fértil! .

Ontem, à noite, citei Mounier. Porque, de facto, o personalismo que tinha (tem) como fito ser uma “reação as ideologias que escravizavam o homem moderno”, impedindo o Homem Inteiro de ser livre, que é a meu ver condição natural da sua existência, do velho mito do “bom selvagem”. A realidade é no entanto outra: somos seres sociais, e por isso regulados. E nestes casos, e mesmo em sociedades ditas democráticas, e nas quais os jornalistas deveriam ser seus defensores, o bom é inimigo do ótimo, sendo a liberdade um principio e nunca é  em si mesmo um fim. Acresço ainda – e esta é uma opinião com a qual estou profundamente de acordo – que o mitólogo romeno Mircea Eliade [“Fragmentarium] acerta no alvo quando escreveu que “ser livre significa em primeiro lugar ser responsável para consigo mesmo”. A ideia de liberdade está em nós. Não é o suposto facto de se viver numa sociedade livre que nos garante a liberdade. Porque, e agora à boleia da genialidade de Fernando Pessoa, só se pode pedir a liberdade se nós o formos: “primeiro sê livre; depois pede a liberdade!"

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •