Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Azul, a cor que corta

por António Canavarro, em 19.01.17

 

Recentemente fui convidado a refletir sobre a onda de censura que paira no jornalismo português. Disseram-me que, conforme as tendências ou linhas editoriais, o “lápis azul” está de volta. Creio bem que nunca desapareceu.

Dizem: No Público corta-se à esquerda. No Diário de Notícias à direita, mesmo, que nesse centenário matutino, e em prol de uma suposta liberdade de imprensa e de pensamento, algumas das referências morais pairem. Cheguei mesmo, a ler na página do Facebook de uma certa jornalista, cronista e amiga conservadora, a forma carinhosa com que o diretor a tratou: “a minha reacionária favorita”!

Porém, o elo central deste “problema” é mesmo a palavra. Porque se “desnuda” nada vale quando transcrita, dita ou tele-visionada o cenário é outro, porque “muda evidentemente de destinatário e portanto de sujeito, pois não há sujeito sem Outro”. Neste caso, o campo de ação lápis é particularmente fértil! .

Ontem, à noite, citei Mounier. Porque, de facto, o personalismo que tinha (tem) como fito ser uma “reação as ideologias que escravizavam o homem moderno”, impedindo o Homem Inteiro de ser livre, que é a meu ver condição natural da sua existência, do velho mito do “bom selvagem”. A realidade é no entanto outra: somos seres sociais, e por isso regulados. E nestes casos, e mesmo em sociedades ditas democráticas, e nas quais os jornalistas deveriam ser seus defensores, o bom é inimigo do ótimo, sendo a liberdade um principio e nunca é  em si mesmo um fim. Acresço ainda – e esta é uma opinião com a qual estou profundamente de acordo – que o mitólogo romeno Mircea Eliade [“Fragmentarium] acerta no alvo quando escreveu que “ser livre significa em primeiro lugar ser responsável para consigo mesmo”. A ideia de liberdade está em nós. Não é o suposto facto de se viver numa sociedade livre que nos garante a liberdade. Porque, e agora à boleia da genialidade de Fernando Pessoa, só se pode pedir a liberdade se nós o formos: “primeiro sê livre; depois pede a liberdade!"

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00




Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •