Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ainda o caso BES

por Maria Teixeira Alves, em 20.07.15

Todo o julgamento do caso BES/GES assentará numa pergunta essencial. Quem manipulou as contas da Espírito Santo International, holding primeira de todo o Grupo Espírito Santo? Ou melhor, não tanto quem foi o autor da ordem para esconder o passivo nos balanços, mas antes quem se consegue provar (porque nestas coisas jurídicas, as provas são essenciais, mesmo por vezes em detrimento dos factos) que manipulou as contas da ESI. 

A acusação (o Banco de Portugal) procura provas que confirmem a ordem de Ricardo Salgado para se reescrever os balanços, retirando passivo e empolando o activo. Há um documento assinado por Ricardo Salgado e por José Manuel Espírito Santo em que estes retiram a responsabilidade da elaboração das contas à ES Services, liderada por Pierre Butty, que reportava ao commissaire aux comptes, Francisco Machado da Cruz e a José Castela, Controller. Este documento é um das provas principais da acusação. 

A defesa tentará provar que não foi Ricardo Salgado quem manipulou ou ordenou a manipulação das contas, assente no argumento de que não há provas que foi. Mesmo esse documento iliba Pierre Butty, mas na óptica da defesa não prova a culpa de Ricardo Salgado, nem a cumplicidade de José Manuel Espírito Santo. 

Assim sendo, a tese da defesa do ex-banqueiro passa por culpar o contabilista, seria o contabilista Francisco Machado da Cruz que tinha tido essa iniciativa sozinho. Um vez que esse tem provas que deu as ordens a Pierre Butty. Quem pôs as mãos na massa e deixou rasto está em pior situação do quem alegadamente deu as ordens oralmente, sem registo disso. 

Porque todos os crimes e ilegalidades do GES/BES partem desse pecado inicial, a ocultação de passivo da ES International. 

Até 2013, o Grupo Espírito Santo (GES) acumulou prejuízos de 5,3 mil milhões de euros, uma dívida superior a oito mil milhões de euros que custou em dez anos uma fortuna em juros: 2.200 milhões de euros em uma década ou 400 milhões anuais nos últimos anos.

A auditoria permitiu ainda concluir que, entre 2008 e 2013, foram feitos "diversos lançamentos contabilísticos nas contas da ESI que conduziram, em Dezembro de 2012, a uma diminuição (artificial) do passivo" de 1,7 mil milhões de euros e "a um consequente aumento dos capitais próprios da ESI em base individual" no valor de 652 milhões de euros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:05




Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •