Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A coragem de ser "de bem"

por Maria Teixeira Alves, em 24.07.15

IMG_2258.JPG

É preciso fazer o elogio dos jornais que são geridos por pessoas "de bem". Vem isto a propósito do Jornal Oje que comemorou ontem os seus nove anos. Um projecto sério e limpo, que não pretende ser trampolim para nada, gerido por um jornalista bem intencionado, o Vítor Norinha, (uma pessoa de bem). Um jornal comprado por um empresário de coragem, o Luís Figueiredo. 

É preciso fazer o elogio das pessoas de bem. Pessoas que premiam o mérito em vez de o temerem. Pessoas que puxam pelos outros, que gerem motivando, em vez do estilo vilão com a vara na mão que por aí pulula muitas vezes para esconder fraquezas. Pessoas que querem fazer o melhor, sem que isso passe por agendas pessoais e políticas.

O jornalismo precisa de uma alteração de paradigma, e ao contrário do que muitos poderiam pensar, não é apenas o modelo de negócio que faliu, é o modelo de gestão dentro das redacções que está ultrapassado. É um modelo provinciano. Os jornalistas são muitas vezes justiceiros add-hoc, criam leis fora da lei, (na maior parte dos casos desconhecem em absoluto a lei que rege a sua profissão) criam sistemas preversos de promoção de "camaradas" e de "despromoção" (implícita e não declarada, porque a despromoção é ilegal) dos que representam linhas ideológicas "inimigas". Não há uma gestão de recursos humanos profissional. Há leis e estatutos que estão sempre a ser violados.

O jornalismo é em muitos casos uma actividade artesã.

O que fazem as autoridades?

Há profissionais que têm carteira a dar entrevistas a falar de assessorias a empresas, e não há nenhuma iniciativa da Comissão da Carteira para pedir explicações. Mas se um jornalista mal pago, alguns ganham o ordenado mínimo já incluído o subsidio de almoço, o que é ilegal, se atrasar a pagar os 50 euros para renovar a carteira arrisca-se logo a levar com uma contra-ordenação de milhares. 

Falta um regulador a sério, como existe para as outras entidades, que esteja sempre a assegurar que as leis da imprensa, o estatuto dos jornalistas, o código dos direitos de autor, etc, estão ser cumpridas dentro das redacções. Com gabinete de reclamações e com direito à aplicação de coimas. Mas a ERC só parece interessar-se pelo cumprimento das leis na relação dos jornais com terceiros. Mas também é preciso garantir o cumprimento das leis dentro das quatro paredes de um jornal. 

Viva o jornalismo "de bem".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:05


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •