Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



À procura de Proust (e não dar o tempo por perdido)

por António Canavarro, em 07.08.19

Scan.jpg

Há Pessoa. E amo-o profundamente! Pudera - e mesmo num curso de relações internacionais -  foi graças a ele, e as diversas conjugações do seu universo, que tive o maior sucesso universitário. Um saboroso 18!

A cadeira era “História e Cultura portuguesa”, o que convenhamos tem sentido, se pensarmos que as relações internacionais é, ou deveria ser, um ninho de futuros diplomatas. E um representante no estrangeiro que desconheça as suas raízes não é – mesmo que seja bom em jogadas diplomáticas – lá grande coisa!

Não sei se um diplomata americano ou russo conheça grande coisa, não obstante as suas dimensões pretéritas, do seu passado. Também, convenhamos, pouco importa! O realismo diplomático, muitas vezes, para não dizer (quase) sempre está nas tintas para o passado. Por outras palavras: se conhecessem os horrores de uma guerra, talvez elas desaparecessem!

Acontece que não quero falar de guerras, nem tampouco da natureza “avariada” da natureza humana, condicionada invariavelmente pela relação espácio-temporal, que salpica os meios de informação de sangue.

O objetivo é outro: a memória, mesmo que esta seja uma pergunta para milhares de euros em qualquer concurso televisivo. Pois é! Todos ouvimos falar de Proust ou da (sua) incansável “procura do tempo perdido”, mas ninguém (ou muitos poucos) o leu! - O mesmo digo eu: aplica-se a Pessoa!

Quantos portugueses – e eu incluo-me nesta (natural) estatística – leram as suas obras ou (inclusive) ouviram falar da sua existência: poucos. Muitos poucos. É o mesmo o que esta realidade nos oferece, ou seja: a cultura chega cada vez mais de um modo indireto, até porque as pessoas, nas suas diversas impossibilidades, e graças ao tempo conhecem a realidade não a conhecendo. Isto é: quantos não foram a Veneza ou dizem conhecer Proust sem saírem dos seus cosmos? Uma wikipedia não vale tudo!

Da minha parte há uma decisão, e depois de ter lido uma edição comemorativa do "Le Poin" a respeito do centenário do célebre escritor francês, procurar o tempo perdido!

Talvez ainda o consiga apanhar!

publicado às 01:22

Escrito na pedra

por António Canavarro, em 05.08.19
«A arte necessita da filosofia, que a interpreta para

dizer o que não é capaz de dizer, ao passo que isso

só pela arte pode ser dito, ao não dizê-lo.»

Adorno

publicado às 16:12

A estratégia entre carne picada o azeite e os pães...

por António Canavarro, em 15.07.19

 

O Português, sempre que consegue um feito de registo regozija de alegria, como se tivesse regressado aos tempos áureos: mas a História não se repete.

Depois do 25 de Abril, e com uma mão à frente e outra atrás, regressamos à casa de partida e a história foi-se, como o vento a tivesse levado.

Estamos, desde meados da década de 80 na Europa: mais por uma questão de barriga, do que de cabeça, pese embora – e nem devo ser o único a pensar assim – reconheça que o único caminho é mesmo uma rota para o federalismo, desde que este seja um sentimento generalizado. Também defendo – já foi defendido no século XIX – uma União Ibérica. Não com a Espanha, tal qual a conhecemos mas com todos os povos que compõe a Península; era bom para nós, e um “rastilho” para as demais nações europeias – e não “Estados Nação” que compõe o que é hoje a União Europeia, i.e., em que cada um tenho o direito de escolher o caminho a seguir.

Isto vem a propósito de um ensaio, comprado entre 1 quilo de carne picada, 1 litro de azeite e  um par pães: chama-se “ Pode Portugal  ter uma estratégia?”, escrito por Bruno Cardoso Reis. Só espero que seja suculento: Portugal precisa de uma estratégia, de uma estratégia (ainda não li o livro, que farei numa viagem ao norte) que passa invariavelmente por Bruxelas e os eurocratas.

O ensaio naturalmente tem a chancela da Fundação Francisco Manuel dos Santos

publicado às 22:02
editado por Maria Teixeira Alves às 22:14

Exames

por António Canavarro, em 12.07.19

Isto até poderia ser uma comédia de costumes ou lá o que seja. Mas, convém  (tem graça) saber que nos exames nacionais o tuga já se safa (e 10, valendo pouco, é sempre 10) em português e em matemática. O que é bem bom? Em tempos de globalização, onde a escrita é a mais abreviada possível, do tipo – e isto é mesmo literal - meter “o Rossio na Betesga, tipo: “pq” em vez de porque, etc! Assusta-me, porém, o insucesso nas provas de filosofia. Ou seja, eles até sabem escrever… mas não tem um pensamento próprio, isto para não falar – o que naturalmente vinha nesses exames, do conhecimento do pensamento dos grandes filósofos.

Em resumo:  Eu penso, até sei escrever, mas (logo) vou ter uma má nota! E que falta faz a filosofia - bem mais que a nossa língua ou a linguagem universal dos números - para sabermos viver! Aliás, o que conhecerão os nossos jovens de ética? Se calhar, o mesmo que os seus pais: patavina!

E convém recordar, à boleia de um livro do Luc Ferry, que a filosofia ajuda “Saber viver”! Enfim… nem todos

publicado às 15:35
editado por Maria Teixeira Alves a 15/7/19 às 22:13

Gelado negro

por António Canavarro, em 12.07.19

Este gelado, e os galados sejam negros ou de frutas, caiem sempre bem. É o caso deste "Helado Negro", seguramente uma das boas "iguarias" musicais do ano.

Deliciem-se!

 

Tags:

publicado às 12:34

Hoje, reina a tristeza

por António Canavarro, em 06.07.19

Mas a memória está aqui, dentro de mim!

publicado às 23:01

Escavação sonora

por António Canavarro, em 03.07.19

Tenho sempre uma necessidade, porque a rotina aborrece, de encontrar coisas novas, que me surpreendam. Seja um livro, um filme de preferência independente ou um disco de alguém ou de uma banda para mim completamente desconhecida.

É o caso dos britânicos Far Caspian, que os deixo aqui para o deleite e porque, se tudo correr bem, irão bem longe: foi uma bela escavação sonora.

 

publicado às 00:23
editado por Maria Teixeira Alves às 02:34

Muito bom

por António Canavarro, em 22.06.19

publicado às 15:48

Beth Gibbons, um génio à solta!

por António Canavarro, em 02.06.19

Quem sabe sabe e, de há décadas a esta parte, Beth Gibbons é uma referencia na cena musical. Primeiramente no trip hop, com o maravilhoso projecto Portishead e, depois, com alguns trabalhos a solo.

Desta feita a inglesa canta - e encanta num registo "mais clássico" - com a orquestra da Rádio Nacional Polaca, interpretando um excerto da sinfonia nº.3 do compositor polaco Henryk Górecki.

Sem palavras. Um génio à solta

publicado às 14:30

Sem comentários

por António Canavarro, em 30.05.19

61296434_10206102790444738_6990108052183580672_n.j

 

publicado às 15:40



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •