Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Em 2017 e 2018 é que vão ser elas

por Maria Teixeira Alves, em 03.12.13


Fonte: Negócios


A operação de troca de dívida realizada esta semana pelo IGCP trouxe na prática o adiamento do pico da dívida para 2017 e 2018.

IGCP enviou ao todo, nesta operação, 6.637 milhões de euros de dívida para esses anos. Na prática será a próxima legislatura que terá de resolver o grande pico de dívida. E só não será pior o excesso de dívida para reembolsar nesses anos porque houve a extensão de maturidades de empréstimos do MEEF, que passaram a vencer até 2022. 

Claro que faz-se o que se pode, e se João Moreira Rato tivesse conseguido o alisamento da dívida até 2022 tê-lo-ia feito. Mas não foi possível. Com a troca de dívida realizada na terça-feira o Governo consegue nivelar os reembolsos para um valor próximo dos 10 mil milhões de euros nos próximos anos. Em 2014 o IGCP precisa mesmo de emitir dívida nova e num prazo que não pode ser inferior a 8 anos (o melhor seria a 10 anos) para reembolsar a dívida que vence entretanto. Não há margem para aumentar mais o pico da dívida para antes de 2022 (em 2021 o valor a pagar já vai nos 10,77 mil milhões de euros). 

Ao aliviar os reembolsos de dívida nos próximos dois anos, a operação aumenta as hipóteses de Portugal terminar o programa de resgate em 2014. 

 

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) recomprou 837 milhões de euros em dívida que vencia em Junho de 2014, 1.640 milhões em títulos com maturidade em Outubro do mesmo ano e ainda 4.160 milhões em obrigações que venciam em 2015.

 

Em troca, os investidores receberam dívida com vencimento em 2017 e 2018. Em rigor, o IGCP emitiu para estes investidores 2.680 milhões de euros em títulos para 2017 e 3.970 milhões de euros para 2018. Os reembolsos ficaram também ligeiramente mais caros. Os títulos trocados tinham uma rendibilidade implícita, de acordo com os termos oferecidos pelo IGCP, de 2,127%, 2,753% e 3,324%, respectivamente às linhas de Junho e Outubro de 2014 e Outubro de 2015. As linhas de cujos títulos os investidores receberam contêm uma taxa de 4,677% e 4,956%.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:18


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •