Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




370º Aniversário da Restauração da Independência de Portugal – Jantar dos Conjurados hoje no Convento do Beato.

publicado às 18:56


1 comentário

Sem imagem de perfil

De António Pereira de Carvalho a 02.12.2010 às 14:58

Amigo atento e informado alertou-me para a eventual interpretação contraditória que a última frase do meu comentário de ontem podia suscitar, no que concordo em plenitude. Eis um bom exemplo daquilo para que servem os genuínos e aristocráticos amigos que, com a sua discrição absoluta, estão sempre atentos e prontos para uma muito sábia e solidária “correcção fraterna”.

De facto, tal blague nascerá (salvo opinião mais fundamentada) como “arremesso” de uma burguesia florescente que, não sendo “bem-nascida”, mas tendo “comodoria”, aproveitava para amesquinhar aqueles que, sendo “bem-nascidos”, faltava bens materiais, servindo tal comportamento para melhor definir quem os tinha. A aristocracia (ou fidalguia) é exactamente um código moral de conduta.

Lembro que a GENEROSIDADE era exactamente, na Idade Média e ainda na Moderna, a noção mais apregoada e requerida do ser-se fidalgo. O maior fidalgo era o mais generoso e o máximo dela era dar a vida em serviço de um nobre ideal. Portanto, a referida blague entra em contradição com o original e genuíno “fidalguia” que, mesmo sem bens materiais, pode e deve ser uma realidade. Portugal, estando no sul do Mediterrâneo e como tal pobre, nunca teve a riqueza de uma Alemanha, França ou Inglaterra. Como tal, o geral da nossa fidalguia servia e bem, com muitos poucos cabedais. Mas o suficiente para com GENEROSIDADE construir um Império onde fez chegar aos mais derradeiros confins do mundo o nome e a Mensagem de Cristo!

A blague por mim citada é um arquétipo da nossa elite burguesa e liberal. A tal que deu cabo do Império, do nosso país e de quem a rainha Vitória se queixava. Os tais que ainda hoje andam por aí a pavonear-se, procurando apenas o penacho e que, quase todos, nem “bem-nascidos”, nem “comodoria”, nem “código moral de conduta”. Só mesmo as aparências e em coerência e quase sempre, a ausência de qualquer “código moral de conduta”.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •