Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A Árvore da Vida

por Joana Mello, em 07.06.11

Fui ao cinema. Cheguei atrasada mas a tempo de apanhar o statement sobre o qual se constrói todo o filme: «Há a via da graça e a via da natureza». A partir daí foquei a minha atenção académica e emocional no modo como o relizador iria apresentar-me o que interpretei como as duas dimensões com que completamos o ser humano: a física e a metafísica. Malick misturou-as e fundiu-as, tanto na história (no pai e na mãe), como nas imagens da vida na Terra que nos chegavam com grandiosidade estética e melódica. A pessoa ao meu lado queixou-se de ter pago para ver o National Geographic mas não me deixei distrair por esse comentário óbvio porque estava a tentar apanhar a perspectiva e não o objecto em si e a gozar a capacidade única do cinema para construir tempo e espaço à velocidade da luz, ou à velocidade do pensamento (sou daqueles que ainda agradece aos Santos Lumière pela graça do cinema, bom e mau).

Entretanto informei-me e vim a saber que este filme é considerado pretensioso. De facto, a mensagem que veicula é extremamente simples e os suportes que a sustentam são extremamente rebuscados, o que, segundo Umberto Eco, é a definição de mau gosto. Todavia, assim sendo, a capela sistina é extremamente pretensiosa, a nona sinfonia é pretensiosa, os poemas de amor são pretensiosos, a maior parte das tragédias gregas (que tratam o mesmo problema exposto em Árvore da Vida) são pretensiosas etc. etc. - eu própria sou pretensiosa. Um dos problemas é que fazer um poema visual sobre a condição humana arrisca sempre alguma pretensão, algum tropismo, que, como sabem, se alimenta dos lugares-comuns da retórica, quer queiramos quer não. Outro problema é que o filme é belo, esteticamente aprazível, e suponho que os fãs de Malick, exijam arte e não design, isto é, exijam algo chocante e não algo «decorativo»; mas este é um problema que afecta toda a arte actual que vive em litígio com a beleza, os artistas fogem hoje do cânone do belo como como o diabo da cruz, com medo de não parecerem artistas, felizmente o realizador borrifou nesta fobia. Pessoalmente gostei muito. A princípio pensei estar apenas perante um remake do 2001 Odisseia no Espaço, mas no fim saí do cinema com a sensação de que 2001 foi um mau remake deste filme. Gostei da angustia entre repressão e expansão, gostei da cisão entre entrega e conquista. Gostei, é claro, porque sou pretensiosa, do grande paradoxo humano representado nos filhos, ou seja, na possibilidade de fim e de continuidade. Eu explico. Os filhos são passaporte da nossa felicidade (a felicidade é o futuro, a vida eterna, a dimensão para além de nós) mas são também o passaporte da mais atroz infelicidade: se os perdemos, se morrem, morre com eles não apenas a nossa pessoa mas a promessa da nossa pessoa, morre a nossa salvação, morre o eu e morre o eu depois de mim. No entanto esta tragédia só existe no pensamento físico e linear. No pensamento metafísco não há tragédia porque a linha da vida se apresenta ciclicamente e não linearmente, a esfera não tem fim nem princípio, qualquer ponto é o centro e a angústia desaparece ao aceitarmos que a árvore da vida é naturalmente a árvore da morte. Catitérrimo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:45


1 comentário

Imagem de perfil

De Maria Teixeira Alves a 08.06.2011 às 00:46

Sabes que a crítica diz lindamente deste filme, mas eu, rebelde como sou, não adorei. Apesar de ter reconhecido a fabulosa fotografia e música, não é por acaso que este crítico lhe chama sinfonia cósmica:

http://ipsilon.publico.pt/cinema/filme.aspx?id=282153

Comentar post




Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •