Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Não percebo esta histeria

por Maria Teixeira Alves, em 11.10.14

Pedro Passos Coelho e José Maria Ricciardi estiveram juntos em público, pela primeira vez, desde o escândalo do BES

Não percebo esta histeria das indignações por Pedro Passos Coelho se ter sentado à mesa com José Maria Ricciardi. Mas há alguma coisa contra o presidente do BESI que o impeça de ser banqueiro? Ou só por se chamar Espírito Santo tem de passar a usar uma marca na lapela? Porque não pode o Primeiro Ministro jantar na mesma mesa com vários banqueiros incluindo o José Maria Ricciardi, que é presidente do banco de investimento? Será que ainda se lembram que José Maria Ricciardi foi um dos que denunciou o caso BES e que foi um dos que quiseram tirar de lá Ricardo Salgado «por motivos que se dispensou de revelar»? Arranjem motivos válidos para indignação, please!

P.S. Alguém se indigna por Ricardo Salgado e Mário Soares se visitarem?

publicado às 12:55

O cínico

por Maria Teixeira Alves, em 10.10.14

“As acções não geram reações, nem todo crime tem castigo, os bumerangues não voltam para nossa mão, a bondade não gera obrigatoriamente bondade, na maior parte apenas ingratidão ou uma gorjeta que mal dá para um pingado (…) Estamos apenas fugindo das pequenas humilhações diárias, quando não das grandes. Estamos correndo da nossa incapacidade de conseguir um amor, um bom emprego, ou simplesmente a paciência do cretino buzinando atrás”, escreveu o autor do A Norte de Mim Mesmo.

publicado às 15:00

As Comissões de Inquérito querem mesmo saber do BES?

por Maria Teixeira Alves, em 09.10.14

Começam hoje os trabalhos de Comissão de Inquérito ao caso BES. Bem sei que ficou definido que, no prazo de dez dias, ou seja, até 19 de Outubro, os partidos terão de entregar requerimentos e pedidos de audição. Havendo 10 dias para que sejam apresentadas as pessoas que os partidos querem ouvir nesta comissão de inquérito. Mas até agora o que se ouviu é que se vai chamar os elementos da troika. Quer tudo saber quando é que a Comissão sabia que o BES teria de ser alvo de uma Resolução. O Bloco de Esquerda vai apresentar requerimentos para ouvir os membros da 'troika' na comissão parlamentar de inquérito ao caso BES, anunciou hoje a deputada Mariana Mortágua. Querem todos saber quando é que o Governo sabia, quando é que o Governador sabia. 

Mas pergunto interessa alguma coisa saber como chegou o BES até esta situação de ruptura? Como é possível que Ricardo Salgado não seja o primeiro a ser nomeado para uma Comissão de Inquérito ao caso BES? Como?

Mas alguém quer mesmo saber o que se passou ou querem arranjar pretextos políticos para tentar entalar o Governo?

Como é que não está tudo já a pedir aos banqueiros, Ricardo Salgado, Amílcar Morais Pires, Ricardo Abecassis Espírito Santo, e outros como Manuel Fernando Espírito Santo que era chairman da Rioforte e João Pena CEO para irem ao Parlamento. Como não chama o contabilista da ESI, Francisco Machado Cruz? Como não se chama o presidente do ISP, para saber o que foi feito nas companhias de seguros Tranquilidade, ES Seguros e BES Vida (atentem a esta)? Como não chamar os administradores envolvidos no caso Tranquilidade? Como não chamar os da PT, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro, Luís Pacheco de Melo? Até diria mais, como não se chama Álvaro Sobrinho que contribuiu para a ruína do BES com os créditos marados no BESA? Mas  aonde é que pensam que o BESA se financiava para dar crédito? Como é que não convocam os que assistiram áquilo? José Maria Ricciardi já se disponibilizou caso quisessem para responder. Ou será que o caso BES, para os deputados, passa ao lado dos banqueiros da família? Se forem sérios, a troika, o Governo, o Banco de Portugal são os figurantes do verdadeiro caso BES. Ou no limite para chegarem a até eles, muitos inquéritos têm de fazer antes. 

 

publicado às 13:39

Outono

por António Canavarro, em 09.10.14

 O Jardim da Casa-Museu Passos Canavarro, em Santarém, numa tarde outonal...

 

Outono. Em frente ao mar. Escancaro as janelas 
Sobre o jardim calado, e as águas miro, absorto.
Outono... Rodopiando, as folhas amarelas
Rolam, caem. Viuvez, velhice, desconforto...

Por que, belo navio, ao clarão das estrelas,
Visitaste este mar inabitado e morto,
Se logo, ao vir do vento, abriste ao vento as velas,
Se logo, ao vir da luz, abandonaste o porto?

A água cantou. Rodeava, aos beijos, os teus flancos
A espuma, desmanchada em riso e flocos brancos...
Mas chegaste com a noite, e fugiste com o sol!

E eu olho o céu deserto, e vejo o oceano triste,
E contemplo o lugar por onde te sumiste,
Banhado no clarão nascente do arrebol...

Olavo Bilac, in "Poesias"

publicado às 11:02

Finalmente alguém põe o dedo na ferida

por Maria Teixeira Alves, em 06.10.14

O Governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, considerou esta segunda-feira que as empresas portuguesas são, em média, mal geridas, e que as pequenas e médias empresas (PME) são muito sensíveis a pequenos acidentes financeiros.

 

"A maior debilidade da economia portuguesa são os gestores, não são os trabalhadores", disse o Governador, reconhecendo que, também por isso, as PME "são muito sensíveis a pequenos acidentes financeiros", o que, por sua vez, "influencia o balanço dos bancos".

 Faço minhas as palavras do Governador. O problema de Portugal é a mediocridade de alguns gestores. 

 

 

 

publicado às 13:33

Tudo são restos, por Ana Vidigal

por Maria Teixeira Alves, em 04.10.14

Da exposição da Sala do Veado, de Ana Vidigal, interessou-me sobretudo o texto que reproduzo aqui. 

"Oú va-t-ón?"

Tudo isto são restos. Restos de momentos que ninguém quis, porque não gostaram de se ver, restos do primeiro filme em que me lembro de ter chorado. Restos de frases que roubei, de textos que me deram, de coisas que li e nunca esqueci. São coisas assim aos cacos mas todas juntas. E é tudo uma contradição. Enquanto luto pelo esquecimento da imagem capturada, procuro uma nova que só existe provocada pela sensação da que está por baixo. Mas acho que isto é o normal para quem quer mostrar o seu passado, tapando-o. No fundo, no fundo andamos sempre a jogar às escondidas.

Interessante texto.

publicado às 16:09

Os meus restos

por Maria Teixeira Alves, em 04.10.14

O texto de apresentação da exposição da Ana Vidigal pôs-me a pensar em qual o primeiro filme em que chorei. Tem graça, mas acho que foi num desses filmes pascais, foi com a história de Jesus Cristo a primeira vez que chorei num filme. Jesus de Nazaré, acho que se chamava assim. A mim o Bambi não me marcou nada. Nem sequer me lembro especialmente. Adorei a Gata Borralheira, ou Cinderela, era o meu filme preferido, e depois talvez a Bela Adormecida. As fábulas com animais nunca me interessaram especialmente. Porque será?

Nas séries de televisão lembro-me de adorar o Flash Gordon; a Wonder Woman; O crime disse ela; os filmes baseados nos romances da Agatha christie também gostava e gosto muito. Gostava imenso de uma série que se chamava os pequenos vagabundos e lembro-me de estar apaixonada pelo Jean-Loup.

A minha infância era isso. 

 

publicado às 13:17

Pág. 2/2




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •