Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A frase

por Maria Teixeira Alves, em 15.05.13

João Moreira Rato explicou hoje no Parlamento qual a diferença entre os swaps e os swaps exóticos. 

“O IGCP passou, em Agosto 2012, a ter um mandato de gestão dos derivados das EPR (Empresas Públicas Reclassificadas). Iniciou-se um processo que passava, em primeiro lugar, pela avaliação, e dada a complexidade dos derivados exóticos - e acreditem que há gente no IGCP que sabe muito de derivados - foi necessário contratar um assessor financeiro.” Por aqui já podem ver o exotismo dos swaps contratados por CFO deslumbrados, que foram na conversa dos bancos.

publicado às 13:57

Ponham os olhos nos americanos

por Maria Teixeira Alves, em 13.05.13

 

Enquanto a Europa se digladia por manter os direitos do Estado Social, enquanto a Europa gasta energia a discutir se os países ricos devem pagar aos países pobres para saírem da crise, enquanto a Europa se esperneia em guerras políticas, em criticar o capitalismo, os bancos, os governos de direita, enquanto a Europa expurga a sua culpa de bem estar classe média em defesa casamentos gay e outras questões fracturantes. Enquanto a Europa expurga a sua culpa de bem-estar de pequeno burguesa numa defesa de "fracos e oprimidos", num contexto de eterna luta de classes, os Estados Unidos o que estão a fazer?

Num curto espaço de tempo passaram a ser o maior produtor mundial de gás natural. O preço do gás natural nos Estados Unidos é de 3,93 dólares (preço de quinta feira, segundo Miguel Monjardino no seu óptimo artigo no Expresso: Gás, EUA e a Competição) "Se olharmos para a Europa e para a Ásia vemos que este preço está entre os doze e os quinze dólares. Uma diferença tão grande não pode deixar de ter consequências económicas e estratégicas".

 

No seu artigo Miguel Monjardino explica que a queda do preço do gás natural está a levar cada vez mais norte-americanos a apostarem neste tipo de energia para aquecer as suas casas. O gás é agora responsável por trinta por centro da electricidade produzida nos EUA. As novas regras sobre os níveis de poluição que entrarão em vigor em 2015 aumentarão ainda mais a procura doméstica do gás. A revolução energética norte-americana também está a ter consequências ao nível industrial e atrair muito investimento directo estrangeiro. Em 2008, a maior parte das indústrias que faziam um uso intensivo da energia tinha abandonado os EUA e procuravam outros países para investir. A América era vista como um país onde a energia era escassa e cara. Hoje Washington passou a ser capital de um país rico em gás natural.

 

Estão em curso ou foram anunciados investimentos à volta dos cem mil milhões de dólares nas indústrias da petroquímica, aço, plásticos, vidro e extracção de gás e petróleo. Qualquer investimento internacional nestas áreas tem agora obrigatoriamente de ter em conta a competitividade das empresas que estão a trabalhar nos EUA.

A inovação no acesso e na extracção a novas fontes de gás natural e de petróleo também está a ter efeitos ao nível do emprego. Foram criados mais de um milhão e meio de novos empregos bem pagos. Este ano, as receitas dos impostos e das taxas para as cidades e estados que apostaram nestas novas fontes de energia deverão ultrapassar os cem mil milhões de dólares.

A nova abundância de gás natural e petróleo terá também consequências estratégicas. Um dos pilares da política internacional dos últimos quarenta anos foi a dependência energética dos EUA em relação ao exterior. Esta dependência não vai acabar nas próximas décadas mas passará a ser menor. A grande questão é saber se nos próximos anos Washington optará ou não por se transformar num grande exportador de gás natural.

publicado às 13:26

Casos bicudos

por Maria Teixeira Alves, em 10.05.13

Como é que os músicos, cantores e compositores têm ordenado quando os discos não se vendem porque se pode tirar as músicas da net? 

Como é que os jornalistas continuarão com emprego quando os jornais deixam de se vender?

publicado às 02:29

Eu sei que isto parece pouco importante ao comum dos mortais, mas o facto de Portugal conseguir emitir dívida a 10 anos com procura internacional, é um presságio de que o País vai regressar à normalidade, é um sinal de que os investidores acreditam neste país e neste governo, é um sinal de que o João Moreira Rato merece todos os cêntimos que ganha à frente do IGCP.

Só para terem uma ideia, tudo o que estamos a viver resulta de em 2010 os investidores se terem recusado a comprar as obrigações do Tesouro do Estado português, por não acreditarem que o país pagaria a dívida, foi isso que derrocou o país até à austeridade que estamos a viver. Ou seja, foi por causa de não conseguirmos ir aos mercados colocar a dívida soberana que país foi intervencionado pela troika e caiu em austeridade. Claro que a austeridade não pode acabar tão cedo porque ainda temos muita dívida acima do PIB, temos de controlar o défice, para depois resolver o problema do stock da dívida. Mas sem a capacidade de financiamento acabaríamos como a Grécia.

O regresso aos mercados a 10 anos é um sinal que os investidores acreditam que Portugal vai ter condições para pagar daqui a 10 anos, que daqui a 10 anos ainda estamos no euro. E depois é sinal de outra coisa. É sinal que Portugal vai conseguir pagar os ordenados da Função Pública sem que para isso seja preciso um segundo resgate da troika. 

É apenas o que Sócrates pedia quando tentava um tal de PEC IV, era um PEC IV sem regresso aos mercados. 

De cada vez que a República portuguesa regressa aos mercados (e a 10 anos é a primeira vez desde o resgate) dou graças a Deus de não termos um António José Seguro a pedir para renegociar a dívida (assim tipo Grécia).

De cada vez que Portugal regressa aos mercados morre um bocadinho a esperança de a esquerda saltar para o poder. They die a little....

"Há uma evolução clara. Voltámos a ter uma base de investidores com quem se tinha perdido o contacto" durante a crise de dívida soberana" explicou João Moreira Rato.

 

Portugal emitiu 3 mil milhões de euros de dívida pública com prazo a 10 anos, pagando uma taxa total, incluindo todos os custos associados, de 5,669%, enquanto a taxa de juro que será paga anualmente será de 5,65%.

publicado às 01:46

Pinochet e os anos 80

por Maria Teixeira Alves, em 06.05.13

O filme é feito pelo chileno Pablo Larraín, chama-se NO e é a versão da oposição a Pinochet, mas isso não o impede de ser um belíssimo filme.

Obviamente é ligeiramente tendencioso, dá muita atenção à ditadura militar e mitiga bastante o crescimento económico do Chile que os chilenos devem ao Pinochet e que foi o grande trunfo da campanha do SÍ. Mas deixa perceber o civismo de Pinochet na transição para a democracia. O filme segue os passos da construção da campanha do NO, que saiu vitoriosa no plebiscito de 1988 (com 54% a 55% dos votos) e levou a eleições no Chile.  Hoje o Chile volta a estar liderado pela direita, o que é o reconhecimento de que a direita faz mais pelo crescimento economico do país que a esquerda. Aliás um dos pequenos pecados do filme do Larraín é ocultar a parte do vídeo da campanha do SÍ que demonstra o que era o Chile antes de 1973 quando se dá golpe militar de Pinochet. Foi o governo de Pinochet que salvou o país da guerra civil, do colapso económico e de um PREC pior que o português.

 

publicado às 02:10

Poema sobre amores falhados

por Maria Teixeira Alves, em 05.05.13

É mais fácil de longe imaginar

O que seria ter-te aqui presente

Do que seria ter-te e não saber 

Com que forma de corpo receber-te

 

Duende, sonetos de Franco Alexandre

Ed. Assírio e Alvim

publicado às 17:19

Finalmente

por Maria Teixeira Alves, em 04.05.13

Passos Coelho

Finalmente uma medida estrutural no corte da despesa pública: "Reorganização do Estado abrangerá 30 mil efectivos"

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, diz que é preciso "redimensionar a Administração Pública" às necessidades do país e que isso passa pela reorganização dos serviços, implicando redução de estruturas. O plano do governo passa, como já era esperado, pela saída através de rescisões por mútuo acordo, que combinado com o sistema de requalificação da administração pública ou seja a bolsa de excedentários, que também muda, "abrangerá 30 mil efectivos".

O número de horas trabalhadas também vai aumentar, como forma de "aprofundar a convergência do regime de trabalho dos funcionários públicos às regras do Código de Trabalho aplicáveis a todos os trabalhadores do sector privado". Acho muito bem.

É preciso cortar na despesa do Estado para poder baixar os impostos e assim dinamizar a economia. Como é que as pessoas não percebem isto?

publicado às 03:04

Pois é Clarice

por António Canavarro, em 03.05.13

 

Ontem fui forçado a dar razão a Clarice Lispector. E gostei!

publicado às 14:03

Serviço Ibérico

por António Canavarro, em 03.05.13

 

Depois da triste figura das equipes espanholas na semifinal da Liga dos Campeões, o Benfica prestou um excelente serviço ao futebol peninsular ao ser a única equipe Ibérica a estar presente numa final europeia.

publicado às 10:13

Ó Shakespeare

por Maria Teixeira Alves, em 02.05.13

publicado às 00:44

Pág. 6/6




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •