Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Faço minhas as palavras da Raquel

por Maria Teixeira Alves, em 20.05.13

A Raquel Abecasis tem hoje este artigo que reflecte a sua opinião sobre o tema que algumas pessoas não gostam de ler. (Como vêem há mais jornalistas que pensam como eu, e que são lúcidos). 

Partilho:

RAQUEL ABECASIS

Incertos, mas modernos

Raquel Abecasis OK, opiniao
Acho que os nossos filhos não nos agradecerão no futuro.
17-05-2013 19:52

A contabilidade da votação do projecto lei que abre a porta à co-adopção por casais homossexuais diz tudo sobre a ligeireza e falta de convicção com que passos como este são dados pelos nossos responsáveis políticos.

A lei passou com 99 votos a favor e 94 contra, à votação faltaram 27 deputados, 17 dos quais do PSD.

Feitas as contas a realidade é esta: o Bloco de Esquerda tem um projecto claro de sociedade que não esconde querer impor ao país; uma parte cada vez maior do Partido Socialista partilha este projecto, mas quer colocá-lo no terreno com pequenos passos para não causar perturbações; todos os outros deixaram de ter convicções ou ideias e estão disponíveis a tudo, incluindo a faltar a uma votação tão importante para o nosso futuro, para não serem apontados como retrógrados.

Dir-se-á que a culpa é da qualidade dos políticos que temos, mas realmente a culpa é de todos os que, sabendo que estamos a trilhar um caminho errado, preferem não se envolver em discussões incómodas com medo das consequências e assim se vão perdendo as certezas e as convicções.

Com o silêncio e a conivência de muitos milhares estamos a destruir os pilares de uma sociedade que, com todos os defeitos e qualidades, tem cumprido o objectivo de formar homens e mulheres equilibrados e livres, por uma outra que inverte todas as regras para justificar as opções de vida de alguns.

Acho que os nossos filhos não nos agradecerão no futuro.

publicado às 15:31

O melhor remédio

por Maria Teixeira Alves, em 20.05.13

publicado às 14:37

Para evitar mal entendidos

por Maria Teixeira Alves, em 18.05.13

Eu não sou uma pessoa de goste ou não goste de uma pessoa por ser homossexual, ou por ser outra coisa qualquer. Não sou preconceituosa, ao contrário do que muitos de vocês pensam. Não sou preconceituosa com nada, nem com raças, nem com classes, nada. Eu gosto ou não de outras pessoas por questões de personalidade ou carácter. 

O facto de até gostar de pessoas que são homossexuais, ou de gostar de obras de arte de homossexuais, não me leva ao engano de defender o casamento homossexual e a adopção (eu sei que é co-adopção, mas isso é apenas uma nuance) de crianças por homossexuais, eu até acho que nada impede que homossexuais sejam contra a adopção de crianças por homossexuais. Se fossem sérios seriam. É isto, e bom fim de semana.

publicado às 16:53

De uma vez por todas

por Maria Teixeira Alves, em 18.05.13

Só se consegue ser jornalista neste país de duas maneiras, por cumplicidade ideológica com a ideologia que domina a classe, ou por mérito, e deste tem que se ter muito para se poder ser contra a corrente ideológica e continuar cá. Acho que é fácil perceberem porque é que eu continuo a ser jornalista.

publicado às 12:54

The way it is

por Maria Teixeira Alves, em 18.05.13

publicado às 11:15

Instituições são piores que adopções por homossexuais?

por Maria Teixeira Alves, em 17.05.13

Quero agradecer a Teresa Leal Coelho, Luís Menezes, Francisca Almeida, Nuno Encarnação, Mónica Ferro, Cristóvão Norte, Ana Oliveira, Conceição Caldeira, Ângela Guerra, Paula Cardoso, Maria José Castelo Branco, Joana Barata Lopes, Pedro Pinto, Sérgio Azevedo, Odete Silva e Gabriel Goucha "os sociais-democratas que votaram a favor do diploma" e ao Duarte Marques, João Prata e Sofia Bettencourt, do PSD; e João Rebelo, Teresa Caeiro e Michael Seufert, do CDS-PP, por terem perdido uma das mais fervorosas apoiante da Direita portuguesa. A partir de hoje não contam com o meu voto para nada, nem, com o meu apoio. 

Quero também dizer que quando as pessoas dão crianças a homossexuais, estão a dar-lhe dois pais ou duas mães e não estão a pensar nas crianças abandonadas, que têm o direito de ter uns pais substitutos o mais semelhante possível com a família biológica. E a família biológica NUNCA são dois pais e duas mães, NUNCA. Porque será? (A Natureza é tão homofóbica!).

E quando me vêm com aquele argumento falso de que é melhor as crianças serem adoptadas por homossexuais do que estar em instituições eu pergunto. Porquê? Porquê é que a instituição é o pior que pode acontecer à criança? São maltratados lá? As instituições maltratam as crianças? Não cuidam delas? É diferente de uma família normal? É. Mas também os pais homossexuais são diferentes de uma família normal. 

Eu acho que há instituições que são melhores do que muitas familias biológicas. Ali não são violadas, nem mal tratadas.

Pelo menos nas instituições não correm o risco de chegarem a adolescência e serem seduzidos pelos pais.

 

P.S. Escusam de vir aqui insultar-me que eu não dou cobertura a insultos. 

P.S.II: Depois de ler este artigo revoltado no site do Expresso, escrito por um miúdo, tenho de acrescentar este post scriptum. Não vou cair na tontice de chamar estúpido e ignorante em cada parágrafo como ele faz (típico de discursos imaturos de pessoas mais ofendidas que racionais - talvez porque para além da palavra "moderno" poucos argumentos existam para justificar que uma criança seja dada (dar para a adopção, para não virem com mais disparates à volta da palavra dar) a dois homens ou duas mulheres em vez de um pai e uma mãe). E diz a certa altura (a única frase em que não revela ódio) que "Consigo perceber a preocupação, quando genuína, em relação ao bem-estar das crianças". Pois é Tiago, e quem te garante que o bem-estar da criança é ter dois pais ou duas mães? Perguntaste a alguma das crianças que está por exemplo na Casa Aboim Ascensão, se é isso que querem? Se querem ser filhos do Sérgio e do Paulo? Não, não perguntaste. Então porque achas que é isso que as crianças querem? Perguntaste aos portugueses se é isso que querem? Não, não perguntaste. 

O Tiago cita um padre, o Nuno da Câmara Pereira e cita-me a mim, como exemplos que tenta ridicularizar, mas esquece-se que como penso eu pensa a maioria da população e se não tem medo, então promova um referendo. Há muito mais gente e gente brilhante (não com a inteligência de cinco tostões deste miúdo) que defendem precisamente o mesmo que eu. 

Enquanto estas criaturas acharem que a adopção é um mercado para fornecer filhos a adultos que querem ter os filhos que a natureza não permite, não estão a pensar nas crianças. Um bébé precisa de uma mãe, o que chumba logo a ideia de serem dois pais. O conceito e pai e mãe refere-se ao macho e à fêmea que procriaram, não é um conceito inventado pelo homem, como o é a homoparentalidade (a palavra nem existe no dicionário do corrector)

As crianças adoptadas não podem ser diferentes das outras, e as outras têm um pai e uma mãe. Ás crianças abandonadas têm de lhe ser dado um família substituta, ou então é melhor não saírem da instituição (ali também têm amor, e se nalguns casos não é assim fechem-se essas). Nunca dois pais ou duas mães. Gostava de perguntar ao Tiago se gostava de ser filho do Lícinio e do Renato?

publicado às 17:40

Uma vida premiada

por António Canavarro, em 17.05.13



A Vida


A vida, as suas perdas e os seus ganhos, a sua
mais que perfeita imprecisão, os dias que contam
quando não se espera, o atraso na preocupação
dos teus olhos, e as nuvens que caíram
mais depressa, nessa tarde, o círculo das relações
a abrir-se para dentro e para fora
dos sentidos que nada têm a ver com círculos,
quadrados, rectângulos, nas linhas
rectas e paralelas que se cruzam com as
linhas da mão;

a vida que traz consigo as emoções e os acasos,
a luz inexorável das profecias que nunca se realizaram
e dos encontros que sempre se soube que
se iriam dar, mesmo que nunca se soubesse com
quem e onde, nem quando; essa vida que leva consigo
o rosto sonhado numa hesitação de madrugada,
sob a luz indecisa que apenas mostra
as paredes nuas, de manchas húmidas
no gesso da memória;

a vida feita dos seus
corpos obscuros e das suas palavras
próximas.

Nuno Júdice, in "Teoria Geral do Sentimento"


Fica aqui a minha homenagem a Nuno Júdice que muito justamente ganhou o Prémio Rainha Sofia de Poesia Iberoamericana. A última vez que um poeta nacional ganhou este galardão foi em 2003 quando foi entregue a Sophia de Mello Breyner.

publicado às 12:36

Matreirices

por Maria Teixeira Alves, em 17.05.13

Na comissão de economia e finanças, João Moreira Rato, presidente do IGCP, explicou que os investidores se preocupam com a sustentabilidade do ajustamento (austeridade). Explicou, sobretudo a João Galamba que se excitou com a presença de um master em economia e mercados e quis mostrar os seus dotes de especialista em economia e mercados, que são dotes teóricos e negados pela sua prática, que o ajustamento dos fluxos é fundamental para a redução do stock da dívida pública. Isto é, o ajustamento das contas públicas (equlibrio do saldo estrutural primário) e o equilibro do défice externo, são fundamentais para que o stock de dívida comece a diminuir. 

João Moreira Rato explicou também que a trajectoria da descida dos juros da dívida soberana já se vem fazendo há algum tempo e resulta das políticas de ajustamento que este Governo tem prosseguido. Explicou com gráficos que só a partir de Setembro é que os países periféricos convergem na descida da taxa de juro, até aí, não havia um comportamento uniforme dos juros entre os vários países periféricos. Mas o que é que o blog Ladrões de Bicicletas escreve? Isto. Ora para que querem lá o especialista a falar se depois fazem tábua rasa do que ouviram?

Shame on you.

 

Outra manha: 

João Moreira Rato explicou e bem que Portugal já tem as necessidades de financiamento para este ano 100% garantidas. Coisa que já se sabia (eu já estava fartinha de saber) porque o Ministro das Finanças já tinha dito precisamente o mesmo que o João disse na Comissão aos deputados. Ora o que faz o Dinheiro Vivo? Escreve que João Moreira Rato "Foi ao Parlamento esclarecer, sem manipular, que Portugal já tem as necessidades de financiamento para este ano 100% garantidas". Como se alguém tivesse antes manipulado. Acho que João merece todos os elogios, mas quando se elogia uma pessoa para implicitamente criticar outra injustamente, deixa de ser uma coisa boa. 

publicado às 03:46

Milagres precisam-se e já!

por António Canavarro, em 15.05.13

Se no Brasil ela conseguiu isto, porque raios não irá o Benfica ganhar em Amesterdão o caneco e tornar-se, no próximo domingo, campeão nacional de futebol?

Milagres precisam-se... e  podem começar hoje!

 

publicado às 16:23

Contas do além

por António Canavarro, em 15.05.13

 

Se Cavaco disse que sétima avaliação “foi inspiração da Nossa Sra. de Fátima”, então devemos concluir que é só assim, por inspiração divina, é que nós vamos lá!

publicado às 15:58




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •