Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Manifesto anti auto-ajuda e ideias budistas

por Maria Teixeira Alves, em 02.03.09

Publicado no Facebook no Sábado, 7 de Fevereiro de 2009 às 16:58 | Editar nota | Apagar
O artigo do Pedro Mexia sobre o livro "O Segredo". Título: "Nietzsche para estúpidos". Muito bom.

Ninguém melhor do que o Pedro Mexia descreveu tão bem aquilo que eu sinto por estes livros (e por estas ideias que se propagam para aí) que prometem a felicidade através da meditação.

Passo a citar, vale a pena, é brilhante:
"Tudo começa com esta ideia simples: os nossos pensamentos são magnéticos e vogam no universo: «você tem o poder suficiente no seu corpo, o poder potencial, de iluminar a cidade toda durante quase uma semana». Estão a ver o presidente da EDP? É mais poder ainda".

"«À solta no universo, os pensamentos atraem ondas magnéticas que circulam na mesma frequência. O que é preciso é estarmos focados, meditarmos, elevarmos o nosso espírito, usar os interruptores secretos [parece mentira mas é verdade, o Segredo diz que temos uns interruptores secretos, quais máquinas de lavar!]que nos permitem ser um íman que transforma pensamentos em realidade». Ou, como diz a autora do livro, «dar ordens ao universo»".

Segundo o livro, "basta evitarmos os pensamentos negativos e actuarmos como se os nossos desejos já tivessem sido concretizados. O importante é a confiança. «Começe já a gritar para o Universo: A Vida é tão fácil! A vida é Boa! Todas as coisas boas vêm até mim!»", diz o Pedro Mexia: "convém é que gritem antes das dez da noite, ou arranjas chatices com os condóminos"

Segundo O Segredo, absolutamente tudo está ao nosso alcance. Por exemplo a única razão para as pessoas não terem dinheiro suficiente é o facto de estarem a "Bloquear" o dinheiro com o pensamento (Parece incrível mas estamos a falar do livro mais vendido)

"Ninguém engorda por causa da comida ou do metabolismo, mas sim «porque tem pensamentos gordos» E não contente com esta estupidez [sou eu que digo, não o Pedro Mexia] ainda acrescenta o autor do livro «atingir o peso perfeito é o mesmo do que fazer uma encomenda e depois o peso chega até nós»". Diz o PM: "uma espécie de IKEA de nádegas e estômagos".

"O Segredo pretende ser uma espécie de legado de milénios de sabedoria (...) de Buda aos actuais especialistas em motivação, criadores de programa de potencial humano, visionários, especialistas em «metafísica e marketing» [what ever that means, digo eu]".

"«Você é Deus num corpo físico... é um ser cósmico, é todo poderoso, é toda a sabedoria, toda a inteligência, é a perfeição...» parecem extractos da autobiografia do Prof. Carrilho"

"«Comece por ter pensamentos felizes e será feliz. A felicidade é um estado de espírito sentido (?). Ponha o dedo no botão [que supostamente temos em nós] SER FELIZ. Carregue agora nele e mantenha o dedo premido, aconteça o que acontecer à sua volta»". E enquanto apodrecem de dedo no botão, a autora [australiana Rhonda Byrne que escreve sobre o segredo de Bob Proctor] ganha mais uns cobres escrevendo Nietzsche para estúpidos.

publicado às 20:12

Carta de Helena Vieira da Silva a Mário Cesariny

por Maria Teixeira Alves, em 02.03.09

Carta de Helena Vieira da Silva a Mário Cesariny

Querido Mário, se uma palavra minha o ajudasse, mandava-lhe mil. Mas lá bem posso lutar com o seu demónio. Saio vencida. Se o Mário me ouvisse... para quê procurar assim o sofrimento? Ele existe por toda a parte, neste nosso pobre corpo doente que vai morrendo dia a dia. Não lhe chega esse? Não lhe chega a sua imaginação, precisa de provas? Ai de nós e da nossa loucura sempre presente, sempre a lutarmos com ela até à morte. Não é fácil viver, mesmo quando parecemos equilibrados.

28 de Janeiro de 1965

publicado às 19:38

Ulrich versus Santos Ferreira

por Maria Teixeira Alves, em 02.03.09

Ulrich versus Santos Ferreira e o Prémio de controlo por 10%.... Cimpor à CGD e BPI à Santoro

Sobre a aquisição das acções da Cimpor à Investifino (Manuel Fino) pelo banco do Estado, a um preço que está, hoje, mais de 50% acima do seu valor em bolsa.
Fernando Ulrich arrasou o negócio da venda de dez por cento da Cimpor à CGD, que foi feito com um prémio de 25 por cento. O presidente do BPI disse ter "muita curiosidade" em saber como é que "ao se comprar um activo acima do valor de mercado se consegue "reduzir as imparidades". E que iria mesmo perguntar aos auditores do BPI, que são os mesmos da CGD, como funciona este mecanismo. É pelo menos divertida esta ironia de Ulrich.
Mas a verdade é que "esta" CGD estava entre a espada e a parede, pois herdou um presente envenenado: um empréstimo para comprar acções BCP, e não só, em que apenas as acções eram a garantia: Três euros e meio depois, e a CGD tinha uma imparidade de 80 milhões de euros para abater aos resultados e ao capital. Evidentemente esta administração da Caixa fez o que pode. Mas não podia fazer muito. Mas o que teve mesmo graça foi ver o administrador Bandeira Vieira e Faria de Oliveira (que é uma pessoa tão agradável) a defenderem que é normal prémios de 20% a 35% em aquisições semelhantes. Mas esta comparação está inquinada, pois os prémios pagam-se pelo controlo. Claro que Ulrich não deixou passar em branco e lá lembrou que o controlo aqui resumia-se a menos de 10% do capital. Entretanto outra pessoa sentiu as farpas de Ulrich (e porque será)... e acusou o toque. Na reunião de quadros do BCP, Carlos Santos Ferreira respondeu a Ulrich...ainda que subtilmente quando disse que tinha vendido 10% do BPI aos angolanos da Santoro e, fez questão de reforçar, com um prémio de 35%. Ora prémios por 10% estão quase a ser um hábito.

publicado às 19:16

Constâncio que de constante tem muito pouco

por Maria Teixeira Alves, em 02.03.09

Vítor Constâncio é uma personagem curiosa. Tem medo de se comprometer com o ridículo e não pára de cair nele.Vejamos: o Banco Portugal publica uma portaria em que passa o capital dos bancos para o mínimo recomendado de 8%. Os bancos, habituados a seguir à risca o regulador, desdobram-se em imaginação para elevar o capital. Mas eis senão quando, Constâncio chama lá alguns jornalistas e deixa cair que já não faz sentido os 8% de tier 1, porque afinal é "pró-cíclico".blá, blá, blá.
O objectivo era que os jornais passassem informalmente o recado do Governador. Mas os jornalistas, embevecidos pelo convite respeitam tanto o off, que nem escrevem sobre o assunto... Então, tudo na mesma.
Entretanto, o BES anuncia um aumento de capital de 1,2 mil milhões. E por causa disso tem até de diminuir previamente o valor nominal das acções (reduzir o capital para depois o aumentar). A seguir BCP anuncia uma emissão "até" 1,2 mil milhões de dívida perpétua. O BPI vende activos.
O BCP começa a olhar para os anéis que vai vender: Banco na Turquia, Estados Unidos.
Eis que chega a vez da CGD, o banco do Estado, que teve e tem tantos compromissos que lhe consomem tanto do capital que lhe vem do Governo. O banco do Estado lá apresenta um tier 1 de 7% e nada de medidas para chegar aos 8%, os tais da portaria do Banco de Portugal.
Porquê? Porque o Ex.mo Senhor Governador telefonou à administração da CGD para dizer: "estão a ver aquela portaria que publicamos em Novembro, olhem não se preocupem. É só uma recomendação... não cumpram!".E a CGD anuncia isto, em resposta numa conferência de imprensa.
Mas afinal, Constâncio emite um comunciado em que diz que tudo se mantém: O que é, é só uma recomendação. Uma recomendação que ele recomenda não cumprir. Mas não a todos. Só aos bancos que ele bem entender, e a esses dá uma telefonadela.
Amanhã há um problema que se cruza com o capital mínimo e lá vai ele dizer que recomendou os 8% de tier 1.... e que não sabia de nada dos bancos com pouco capital.
Ainda me lembro de Constâncio ter apelado ao Governo para ajudar o Banco Privado Português, porque tinha sido vítima da revisão do rating da Moodys. Ora a Moodys limitava-se a dizer que o capital do BPP não reflectia o real risco do banco. Coisa que hoje o Banco de Portugal não só confirmou, como essa conclusão o levou a inibir a velha administração do BPP.
Vítor Constâncio é uma personagem curiosa. Parece dotado de uma tentação diplomática que o arrasta sempre para as meias medidas, as meias supervisões, as meias recomendações."Não me comprometa", é uma ideia que está sempre nas entrelinhas de tudo o que diz, e do que não diz.

publicado às 19:13

Pág. 3/3




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •