Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Gramática para o tempo que se vive

por António Canavarro, em 17.03.15

Na última edição do centenário "Correio do Ribatejo" foi publicado um texto de minha autoria intitulado "Gramática para o tempo que se vive", que deixo aqui para vossa consideração. 

texto ac março 2015.jpg

No universo do pensamento de Miguel de Unamuno fica na retina uma frase: “Uma fé que não duvida, é uma fé morta”. Faço a referência porque a duvida, a suspeita, sempre foi mole do desenvolvimento humano e sinónimo de civilidade. Ora, quando este legado está, à mercê das intransigências fundamentalistas, prisioneiro do seu futuro, a realidade construída desmorona-se como um castelo de cartas, já que os nossos principais pilares estão em xeque-mate e, portanto, em profunda agonia!

Recentemente, a Fundação Passos Canavarro, recebeu o padre Anselmo Borges, professor de filosofia na Universidade de Coimbra, que, ao abrigo de um encontro internacional realizado em Gaia, e que as interessantíssimas comunicações foram compiladas num livro por si organizado, questionou o futuro de Deus. Será que “Deus tem futuro?

A questão é importante, porque, para lá das suas implicações entre os crentes, convoca-nos a pensar esta modernidade, onde todos, e por maioria de razão os não crentes, - já que “naturalmente” a questão do futuro do Todo-poderoso seria-lhes colateral -, somos convocados a pensar o nosso próprio futuro. Dito de outra forma: “Será que nós teremos futuro?”

O Ocidente, na sua matriz judaico-cristão, há muito, - e de forma dolorosa, - resolveu a bem a questão da religiosidade, do tempo e do século, separando as águas, diferenciando o que é “de Deus do que é de César”. Foi, aqui, na nossa modernidade, em que a ciências deram os maiores passos para a humanidade, enquanto os demais ainda andam exclusivamente perdidos em condicionamentos metafísicos e teológicos, construímos o nosso legado, pelo que estes condicionamentos, desde logo pela natureza da intransigência das suas fés, tornam-nos seus reféns, situação que os mais recentes bárbaros, como sejam a destruição do património da humanidade, simbolizam na perfeição. Pelo que, não se restringe, em si mesmo, a uma questão de fé. É, antes de tudo, uma afronta ao que a Europa e o Ocidente representam, ou seja, um confronto contra a razão.

Se no século passado a agonia do cristianismo – como foi sublinhado por Unamuno numa obra com este nome – foi a consequência directa da emergência das filosofias positivistas e materialistas, assim como das reminiscências históricas do que o clero socialmente representava, a luta pela vida que a fé, e o Ocidente em geral, enfrentam hoje é, como disse, diversa, e por isso com um impacto seguramente mais preocupante, já que trata-se da defesa das nossas heranças culturais, sociais e civilizacionais. Assim, é tempo de questionar se nós, tal como os nossos ancestrais romanos, poderemos e deveremos afirmar que “Si vis pacem, para bellum”. Ou seja, que se queremos a paz (a manutenção do nosso estatuto) temos que preparar a guerra? Porque, se é certo que este aforismo não trará de nada bom, é provável que nos afaste das trevas onde nos querem remeter. De facto, é altura para perguntar se, nesta “gramática para o tempo que se vive”, estaremos à altura, isto é, preparados para acção e encetarmos novas cruzadas?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:51


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •