Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Gramática para o tempo que se vive

por António Canavarro, em 17.03.15

Na última edição do centenário "Correio do Ribatejo" foi publicado um texto de minha autoria intitulado "Gramática para o tempo que se vive", que deixo aqui para vossa consideração. 

texto ac março 2015.jpg

No universo do pensamento de Miguel de Unamuno fica na retina uma frase: “Uma fé que não duvida, é uma fé morta”. Faço a referência porque a duvida, a suspeita, sempre foi mole do desenvolvimento humano e sinónimo de civilidade. Ora, quando este legado está, à mercê das intransigências fundamentalistas, prisioneiro do seu futuro, a realidade construída desmorona-se como um castelo de cartas, já que os nossos principais pilares estão em xeque-mate e, portanto, em profunda agonia!

Recentemente, a Fundação Passos Canavarro, recebeu o padre Anselmo Borges, professor de filosofia na Universidade de Coimbra, que, ao abrigo de um encontro internacional realizado em Gaia, e que as interessantíssimas comunicações foram compiladas num livro por si organizado, questionou o futuro de Deus. Será que “Deus tem futuro?

A questão é importante, porque, para lá das suas implicações entre os crentes, convoca-nos a pensar esta modernidade, onde todos, e por maioria de razão os não crentes, - já que “naturalmente” a questão do futuro do Todo-poderoso seria-lhes colateral -, somos convocados a pensar o nosso próprio futuro. Dito de outra forma: “Será que nós teremos futuro?”

O Ocidente, na sua matriz judaico-cristão, há muito, - e de forma dolorosa, - resolveu a bem a questão da religiosidade, do tempo e do século, separando as águas, diferenciando o que é “de Deus do que é de César”. Foi, aqui, na nossa modernidade, em que a ciências deram os maiores passos para a humanidade, enquanto os demais ainda andam exclusivamente perdidos em condicionamentos metafísicos e teológicos, construímos o nosso legado, pelo que estes condicionamentos, desde logo pela natureza da intransigência das suas fés, tornam-nos seus reféns, situação que os mais recentes bárbaros, como sejam a destruição do património da humanidade, simbolizam na perfeição. Pelo que, não se restringe, em si mesmo, a uma questão de fé. É, antes de tudo, uma afronta ao que a Europa e o Ocidente representam, ou seja, um confronto contra a razão.

Se no século passado a agonia do cristianismo – como foi sublinhado por Unamuno numa obra com este nome – foi a consequência directa da emergência das filosofias positivistas e materialistas, assim como das reminiscências históricas do que o clero socialmente representava, a luta pela vida que a fé, e o Ocidente em geral, enfrentam hoje é, como disse, diversa, e por isso com um impacto seguramente mais preocupante, já que trata-se da defesa das nossas heranças culturais, sociais e civilizacionais. Assim, é tempo de questionar se nós, tal como os nossos ancestrais romanos, poderemos e deveremos afirmar que “Si vis pacem, para bellum”. Ou seja, que se queremos a paz (a manutenção do nosso estatuto) temos que preparar a guerra? Porque, se é certo que este aforismo não trará de nada bom, é provável que nos afaste das trevas onde nos querem remeter. De facto, é altura para perguntar se, nesta “gramática para o tempo que se vive”, estaremos à altura, isto é, preparados para acção e encetarmos novas cruzadas?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:51




Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •