Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Como povo tivemos pouca sorte. A inteligência não faz parte do ADN do nosso povo... Não temos nos antepassados nenhuns um Kant, nem um Kierkgaard, nem um Freud... Somos o país da nostalgia e melancolia, e esses ainda são os sentimentos mais nobres que temos. Mesmo assim cada vez mais escassos nesta cultura do centro comercial... do fascínio do consumo como alternativa ao amor...

Continuamos reféns dos instintos básicos, no caso, em regra espontaneamente maus... porque há a tentação do mal, mas também há a tentação do bem. Há quem tenha o bem por instinto ...

Temos hoje a agravante de ter perdido as benesses do provincianismo sem ganharmos a vantagens do cosmopolitismo.
Perdemos a solidariedade de vizinhança, os sítios familiares, a entreajuda e o sentido de pertença, em troca não ganhámos, nem o profissionalismo, nem o valor do mérito, nem a auto-estima que nos tornaria arrojados.
Importámos as ervas daninhas da moderna Europa, a tolerância hipócrita, a ilusão do individualismo, a soberba do narcisismo. Somos narcisistas em todos os momentos da nossa vida. Os outros passaram de cúmplices a espelhos de nós. Woody Allen, dizia ironicamente "nasci judeu mas já me converti ao narcisismo".

Em Portugal, por exemplo, a vida acaba aos 40 anos. Quem até aí não encontrou o seu lugar, não o encontra mais. Não há em Portugal exemplos de advogados, engenheiros, bancários que decidam aos 40, 50 mudar radicalmente de vida, ser actores de teatro, ser guionistas, ser artistas, escritores ... mesmo que alguém o quisesse, seria provavelmente impossível. Um dia tentei encontrar um curso de guionista, um curso a sério. Mas em Portugal só encontrei workshops caros e desinteressantes. Já em Espanha encontrava-se guionismo por todo o lado, nas universidades espanholas. Cá nada. Eu que queria aprender a escrever guiões para cinema e para o teatro. Não encontrei nada. Mesmos os cursinhos curtos que andam para aí são dados com desânimo porque os professores (guionistas desempregados) sabem que aquilo que estão a dar não serve para nada.

Antes era pelo menos mais fácil cada um encontrar mais cedo seu lugar. As pessoas tinham o sentido do compromisso. Comprometiam-se umas com as outras, com os maridos, com as mulheres, com os amigos, com os filhos, com as tarefas. Hoje ninguém se compromete com nada... qualquer coisa tem a medida do deve e haver de benefícios para cada um. Vivemos num permanente estado de marketing. "O que é que eu ganho com isto" está sempre nas entrelinhas das conversas, mesmo nas mais íntimas, é por isso que os casamentos acabaram. Ninguém se divorcia porque se apaixonou por outra pessoa, as pessoas divorciam-se porque estão a perder na sociedade contratual. Porque estão a ser penalizados nas suas vontades, e nos seus caprichos. Por isso o "Não me comprometa" é a máxima do individualismo.

Depois em Portugal ser bom nalguma coisa é sempre um mau agoiro. Os portugueses desconfiam, pelo que nunca têm a coragem de legitimar o bom, ainda que tenham uma leve suspeita das qualidades do outro. O bom que nunca foi legitimado por instituições credíveis tem um difícil caminho pela frente. Instintivamente tenta-se obstruir o outro, abafá-lo, escondê-lo, aniquilá-lo antes que conquiste um lugar ao sol, que ofenda os que lá não conseguem chegar.
Por isso é que os portugueses mais importantes foram todos laureados fora de Portugal. Então aí, nessa altura, venera-se.

Voltando ao Medina Carreira que em entrevista ao Mário Crespo foi o mais cáustico possível:
O país está ao serviço de partidos políticos, partidos que usam as leis com o único objectivo de ganhar clientela, para perpetuar poderes individuais...
Isto não é um país, é uma brincadeira... não há solução. Não há mesmo, e Medina Carreira tem razão. Cavaco Silva também foi sincero, não tem soluções para esta crise.
Andamos a viver de tretas, de Magalhães, andamos a viver de aparências. Prometer criar 150 mil empregos, não é sério.
Um processo fiscal que demora 12 a 20 anos, não trás ninguém para investir em Portugal.
Não foram feitas verdadeiras reformas, na educação, na justiça... [em Portugal até a cultura é uma coisa de lobbys...]
Cada partido político é mais uma porta para abrir 30 lugares para entrarem pessoas... à espera de tachos.
Não há soluções...
Este Governo vai estar no banco dos réus daqui a umas dezenas de anos.
A nossa economia está ao mesmo nível de há cem anos. [O Gráfico de Medina Carreira prova ainda que o maior crescimento económico deu-se entre 1960 e 1970... no Estado Novo, portanto].
Diz Medina Carreira que esta democracia não cria soluções. Sugere o presidencialismo?!


Em Portugal os profetas da desgraça são sempre melhores videntes...

publicado às 17:59




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •