Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Sobre o livro “O Governador”. Um Kramer contra Kramer

por Maria Teixeira Alves, em 16.11.22

8F0A2BFB-329D-438E-B726-3215BB2A8A34.jpeg

Em primeiro lugar quero dizer que estamos perante um livro em que os excertos publicados nos jornais são muito próximos de ler o livro. Salvaguardando isso, o que me apraz dizer é que o livro tem um lado corajoso quer de Luís Rosa (autor) quer de Carlos Costa (protagonista e entrevistado). Mas também tem um lado "de ajuste de contas", se calhar justo, mas não deixa de ser um "ajuste de contas" e não há nobreza nisso.

Carlos Costa, ex-Governador do Banco de Portugal, teve coragem quando afastou Ricardo Salgado numa altura em que era quase um pecado capital e, sabe-se agora, enfrentou Isabel dos Santos quando era a "filha de um presidente de um país amigo de Portugal". 

Sim, coragem. Mas também ajuste de contas ao Governo que o tentou destronar e que acabou por o substituir pelo ministro das finanças "inimigo", Mário Centeno, atual Governador.

Há outras considerações a fazer sobre o conteúdo do livro e sobre a audiência do evento de lançamento. A primeira coisa que me chama a atenção é que Luís Marques Mendes, que fez a apresentação do livro, revela que "entidades e pessoas em Bruxelas, em articulação com o Ministério das Finanças de Portugal, antes da decisão da resolução que cabe ao Banco de Portugal, afirmavam abertamente quem devia ser o comprador do Banif, sem concurso, sem consulta ao mercado, mas com nome devidamente explicitado", referindo-se ao Santander Totta. A informação é relevante (mesmo tendo Marques Mendes, enquanto advogado, tido como cliente um concorrente do Santander na corrida ao Banif quando ainda se queria vender o banco sem entrar num processo de resolução).

"Uma coisa é certa os três principais intervenientes na história, devidamente identificados no livro, devem explicações às autoridades e ao País", disse Marques Mendes sem nomear. Referia-se a Vítor Constâncio, a Mário Centeno e a Daniele Nouy que desempenhou o cargo de Presidente do Conselho de Supervisão do Banco Central Europeu de 1 de janeiro de 2014 a 31 de dezembro de 2018. Nomes citados no livro de Luís Rosa. O desafio de Marques Mendes, comentador, não vai ter continuidade por parte do Ministério Público, mas no entanto colheu algum mediatismo.

Há outra coisa que salta à vista. É que não é uma boa notícia para o atual Governador, o facto de um livro, que põe Mário Centeno no olho do tsunami, ter um prefácio de Christine Lagarde (atual presidente do BCE e como tal "chefe" de Centeno). Lagarde elogia fortemente Carlos Costa. O que por exclusão de partes significa que subscreve as críticas a Centeno. Bizarro no mínimo.

Depois surge a revelação da carta de António Costa, então recém primeiro-ministro, a 14 de dezembro de 2015 ao então presidente da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker, e ao presidente do BCE, Mario Draghi, e que, na opinião de Carlos Costa precipitou a decisão do Banco Central Europeu (BCE) que levou à queda do Banif.

Segundo Carlos Costa, esta carta escrita à revelia do ex-governador trouxe preocupações à Europa e terá sido muito prejudicial à banca portuguesa, em especial ao Banif. O livro “O Governador”, diz que na carta António Costa dizia, por exemplo, que o Banif entrara em “processo de pré-resolução”.

A tese do livro diz que a carta motivou um “agravamento muito significativo da desconfiança das autoridades europeias”, e por isso “afetou seguramente o acompanhamento dos bancos portugueses pelo Mecanismo Único de Supervisão, tanto em termos de confiança como de requisitos de capital e requisitos qualitativos de supervisão”. Perfeitamente compreensível. 

Ora, na sequência da revelação desta carta, Jorge Tomé, ex- CEO do Banif, diz ao jornalista Luís Rosa no livro que "temos de considerar a hipótese de que a informação privilegiada veiculada pela TVI tenha nascido do Governo que escreveu essa carta. É uma hipótese perfeitamente plausível, há quase uma relação causa-efeito”.

Sobre isto, eu, enquanto experiente jornalista de banca, posso dizer que acho muito estranho que a "fonte" tenha sido o Governo ou "apenas" o Governo. O que um jornalista de banca faria se recebesse uma informação de que um banco vai ser alvo de uma medida de resolução que viesse de um político ou de um Governo, era imediatamente tentar ter respaldo   do Banco de Portugal, entidade a quem cabe decidir a Resolução de um banco. Portanto das duas uma, ou o jornalista que escreveu que "o Banif ia fechar na segunda feira seguinte" era mau, ou então a confirmação em off veio do regulador. O que seria altamente perverso em face das revelações. 

Não se sabe até hoje quem escreveu a notícia (tenho apenas suspeitas), nem quem foi a fonte dessa notícia que foi apontada como trigger da resolução por causa da corrida aos depósitos.

Eu como jornalista da área lembro-me que corria há vários dias/meses que o Banif não ia escapar a uma resolução, que era um problema do Governo com Bruxelas. Mas daí a ter suporte para avançar com a notícia vai um mundo. Por isso estranhei o rodapé da TVI sobre o tema na altura. 

 

publicado às 01:43

Pensamentos

por Maria Teixeira Alves, em 08.11.22

A inteligência está mais perto de ser uma condição de sobrevivência do que uma condição de felicidade. 

publicado às 22:17

Amor é uma fusão de almas

por Maria Teixeira Alves, em 29.10.22

A15371D2-D0FC-44C2-8888-13D6DA9B46CB.jpeg

52E8248B-DE59-4EF1-B267-EF0A97AE050E.jpeg

publicado às 01:01

Adriano Moreira era um ícone de várias gerações

por Maria Teixeira Alves, em 23.10.22

O país reage à morte de Adriano Moreira, o homem que “durante 100 anos foi  tudo ou quase tudo”. - Atualidade - SAPO 24

Toda a vida ouvi falar de Adriano Moreira. Em Cascais, na minha adolescência, era o "filho do polícia" que tinha casado bem e tinha mérito. Na sociedade dominada ainda pelos preconceitos sociais, havia uma tolerância, que raiava a quase admiração pelo político que nos anos 80 tinha sido presidente do CDS. 

Mais tarde e já no meio cosmopolita de Lisboa e do jornalismo (que se tornou a minha vida) era um senhor da política. Um homem de direita que atravessou o Estado Novo e soube adaptar-se aos novos tempos e às novas ideologias. 

Luís Montenegro, líder do PSD, espelhou bem o que era Adriano Moreira, histórico militante e dirigente do CDS, "para a sociedade portuguesa contemporânea Adriano Moreira foi um ‘grand seigneur’ da academia e da política portuguesa. Deixa-nos um legado riquíssimo de pensamento sobre valores e princípios sociais”.

Dúvida houvesse e bastaria ver a forma tolerante como lidou com o facto de ter uma filha que tem bandeiras políticas diametralmente opostas aos valores sempre preconizou. 

Como bem descreve Isabel Patrício no Jornal Económico:

Nascido a 6 de setembro de 1922, em Grijó, Macedo de Cavaleiros, Adriano Moreira teve um percurso dividido entre dois regimes. Nos anos 60 do século passado, foi ministro do Ultramar do Estado Novo. Já em democracia, entre 1986 e 1988, foi presidente do CDS-PP, além de ter sido deputado à Assembleia da República em 1980, vice-presidente da Assembleia da República entre 1991 e 1995, e conselheiro do Estado, eleito pelo Parlamento, entre 2015 e 2019.

Em maior detalhe, Adriano Moreira concluiu o curso de Direito na Faculdade de Direito de Lisboa em 1944, tendo começado a sua carreira como jurista no Arquivo Geral do Registo Criminal e Policial. Mais tarde, juntou-se a Teófilo Carvalho dos Santos, com quem ajudou à defesa da família do general José Marques Godinho. Por causa disso, Adriano Moreira acabaria preso, no Aljube, onde é companheiro de cela de Mário Soares, preso também por motivos políticos.

Com o passar dos anos, aproximar-se-ia, no entanto, do Estado Novo, com o estudo das teses lusotropicalistas, e acabaria por ser, primeiro, subsecretário de Estado da Administração Ultramarina, em 1959, e, depois, ministro do Ultramar entre 1961 e 1963, período que coincidiu com o início da Guerra Colonial em Angola.  Aliás, foi nesse cargo que assinou uma portaria que criaria o campo de concentração do Tarrafal, em Cabo Verde.

Após o 25 de Abril, aderiu ao CDS-PP, que chegou a presidir. Foi deputado, vice-presidente da Assembleia da República e conselheiro do Estado.

A par da vida política, foi professor, mas também ensaísta. Recebeu várias condecorações, como a grande-oficial da Ordem do Infante D. Henrique, cavaleiro grã-cruz da Ordem de África.

No mês passado, completou 100 anos, altura em que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sublinhou que Adriano Moreira tinha entrado para a História de Portugal “ao unir o nosso passado e ao futuro”.

 

publicado às 14:18

Tempos modernos

por Maria Teixeira Alves, em 05.10.22

7FA56588-2EB6-4F61-AC8E-DEE830EEF982.jpeg

publicado às 00:49

D9210B01-CC19-4DCA-BD21-618E80300782.jpeg

"O destino não é uma fatalidade, é um conflito breve com um sonho".

publicado às 14:39

Edgar Allen Poe e a sabedoria dos poetas

por Maria Teixeira Alves, em 09.07.22

 

publicado às 10:18

Coisas que se pudesse voltar atrás faria diferente

por Maria Teixeira Alves, em 17.06.22

IMG_8954.JPG

A primeira coisa que faria de maneira diferente tem a ver com a escolha da primeira casa. Compraria uma casa maior e sobretudo um casa com uma sala maior. Com o tempo percebemos que nossa a casa ganha um importância maior na nossa vida.

A segunda coisa que faria diferente é que teria poupado mais. Teria criado uma poupança de longo prazo. Foi um erro da minha geração achar que Portugal ia sempre melhorar economicamente. Mais. Continua a ser um erro de cálculo achar que o mundo caminha sempre para melhor. Não é verdade, como o demonstra a série consecutiva de crises de que somos alvo desde 2008.

Outra coisa que recomendo é que não comprem nada em prata. Livrem-se de todas as pratas, porque ficam pretas e o preço de venda (caso queiram livrar-se delas) é uma décima do preço da compra. Só se compra ou se mantém pratas por "amor", porque de resto é pior do que comprar um carro que começa a desvalorizar no dia que sai do stand, com a diferença que o carro compensa em utilidade e conforto, ao contrário das pratas. Estão a ver os fios de prata, brincos de prata? Esqueçam, ficam pretos. Mais vale o ouro.

Nunca, mas nunca, comprem cadeiras de palhinha para a casa de jantar. É um erro que eu cometi. As cadeiras de palhinha, de tempos a tempos, precisam de ser empalhadas e é tão caro que é o mesmo que passar a vida a comprar as mesmas cadeiras.

Também recomendo que nunca peçam a reavaliação das vossas casas para efeitos de IMI. Eu, que sempre sigo a minha intuição, decidi um dia seguir um conselho de um amigo que me recomendou a reavaliação para efeitos de IMI, porque, disse-me ele, "ia pagar menos". Erro total, pedi a reavaliação e estou a pagar mais.

Nunca contrariem a vossa intuição, é nela que reside a sabedoria.

Outra coisa que faria diferente é que ter-me-ia esforçado para investir numa experiência profissional fora de Portugal, para além de que teria investido mais em formação, por exemplo num mestrado em economia e gestão.

Concluo dizendo que recomendo que nunca devemos fazer planos para a vida, para não estragar os planos que a vida tem para nós. Por exemplo, nunca tomar decisões a pensar que a vida vai mudar quando casarmos porque pode nunca chegar a acontecer (love is a losing game most of the time).

Outra coisa que eu teria mudado tem a ver com os circuitos de amigos. Teria evitado muitos dos que se cruzaram comigo na adolescência e idade adulta. Ou seja, teria escolhido melhor os amigos e os grupos. Já chega aquelas pessoas, que por força das circunstâncias, entram na nossa vida contra a nossa vontade.

Bom, há, de certeza, muitas mais, mas por agora é o que me ocorre.

 

publicado às 23:15

Agustina once again

por Maria Teixeira Alves, em 11.06.22

“A mulher forte da Bíblia, austera, paciente, que faz do amor um contraveneno das próprias desilusões. Qualquer ficção a diminui e não a retrata”. Agustina, claro

publicado às 00:02

Hipocrisia e autofagia na questão da Rússia

por Maria Teixeira Alves, em 12.03.22

527F4DB5-5799-40AD-A60F-19A1531A3669.jpeg


A Rússia liderada por Putin entrou na Ucrânia no dia 24 de fevereiro e isso mudou o mundo para pior.

Não sou especialista em geopolítica e o que conheço de Putin resulta das notícias e sobretudo das entrevistas que deu a Oliver Stone e que revelam muito sobre o pensamento do presidente da Rússia. Era óbvio, pelo discurso de Putin e pelas ‘demárches‘ subtis movidas pelos EUA, que a guerra fria, que oficialmente acabou com a queda do muro de Berlim, esteve sempre latente e por isso viva.

Parece-me óbvio que não se pode olhar para a Rússia como um país europeu que se rege por valores ditos democratas do Ocidente.

A Rússia continuou a ser a potência nuclear que motivou a guerra fria e os EUA continuaram a ser o inimigo político dos russos que nas costas tentam sempre a supremacia militar.

A Ucrânia tem o azar de estar no meio. A situação geográfica e histórica da Ucrânia não a ajuda e claro que não se pode olhar para a Ucrânia como quem olha para a França ou para Espanha. Claro que a situação da Ucrânia a deixa numa situação difícil e por isso, acho eu, a neutralidade a libertaria. Ser neutral não é uma maldição. Não consta que a neutralidade Suíça tenha beliscado o país dos relógios, da banca de fortunas e de chocolates.

Dito isto, este conflito (ou invasão) teria sido evitável, na minha opinião. Para isso era preciso que todos os agentes desta história tivessem presente o papel e vicissitudes de cada um, isso levaria a que todos fossem respeitados.

Não se afronta Putin, nem se tenta converter a Rússia numa sociedade ocidental com valores "moderninhos". Há que ter isso presente.  

A saída de Trump da Casa Branca e de Merkel da Alemanha pode ter tido um papel na escalada deste conflito. O futuro o dirá. 

Putin não é nenhum louco e tem as suas razões e elas estão ligadas à defesa da Rússia, mas claro que esta intervenção militar é altamente condenável pelo impacto que tem em inocentes. O melhor que o Ocidente pode fazer é acolher os ucranianos que fogem da Guerra.

Também as sanções europeias e dos EUA contra os russos são condenáveis pelas mesma razões, por causa do impacto que têm em inocentes.

Posto isto, teria sido fácil evitar este conflito. Bastaria que a Ucrânia reconhecesse que nunca poderá entrar na NATO e que a NATO, liderada pelos EUA, se comprometessem em nunca integrar a Ucrânia na NATO. Um compromisso escrito tinha bastado para evitar isto. 

Agora, acho as sanções económicas à Rússia injustas e ineficazes porque Putin não saiu da Ucrânia por causa delas e só vieram criar um fosso entre dois blocos Rússia/China e EUA/UE.

Acho perigoso o precedente que se abriu para a liberdade de imprensa (vetar o acesso a jornais russos deixa a Comissão Europeia ao mesmo nível das ditaduras). Acho perigoso o precedente que se abriu para o congelamento da propriedade privada. Acho perigoso o precedente de congelar as reservas de um banco central. Acho injusto castigar a cultura e o desporto russos. E faz me pensar que não gosto desta Europa, preferia que estivesse a ser uma moderadora do conflito para tentar um acordo que salve a Ucrânia e não ameace a Rússia. 

As sanções provocam condições económicas devastadoras também para os europeus e resto do mundo ocidental.

O presidente da Ucrânia tem de se entender com a Rússia de Putin para seu próprio bem e para o bem do seu povo. Isso sim é que é coragem. Chegar à paz.

 

 

 

 

Enviado do meu iPhone

publicado às 01:01



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •