Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Resultado de imagem para shimon peres

Se há coisa que aprendi é que os sentimentos nobres são muitas vezes detonadores de enganos. Falo disto a propósito da tentativa de paz que levou a que Shimon Peres, ex-membro do Partido Trabalhista, recebesse o Nobel da Paz de 1994, junto com Yitzhak Rabin e Yasser Arafat, por causa do acordo de paz. Em setembro de 1993 foi assinado na Casa Branca o Acordo de Paz de Oslo que nunca surtiu efeito.

Shimon Peres assinou acordos que se comprometiam a unir esforços para a realização da paz entre os dois povos. Estes acordos previam o término dos conflitos, a abertura das negociações sobre os territórios ocupados, a retirada de Israel do sul do Líbano e a questão do estatuto de Jerusalém. Mas falharam. A Palestina diz que nunca se criou uma agenda para a paz e que não impediram as atividades dos colonatos. Diz que não cumpriram o prazo de 1999 para a criação de um Estado Palestiniano.

Israel diz que houve progressos, reconheceram o povo palestiniano e os palestinos reconheceram o Estado de Israel, concordaram com as fronteiras, mas elas não criavam nenhum Estado e Arafat não conseguiu impor a sua autoridade. Não conseguiu passar de chefe de um movimento revolucionário para chefe de Estado. Sem uma autoridade única o que há são fações. "O Hamas, o Irão, que fundou um império religioso com a ajuda do urânio enriquecido, tem o apoio do Hamas e do Hezbollah que destrói o Líbano, ao passo que o Hamas destroi os palestinianos, e depois há quem defenda a paz, Mahmud Abbas e Fayat, com quem Israel se senta à mesa", explica Shimon Peres num documentário que passou há uns dias na RTP3. Shimon Peres foi Presidente de Israel entre 2007 e 2014. 

O documentário começa assim: Israel contraria toda a História do Mundo. Um povo em diáspora, espalhado pelo mundo, voltar à terra de origem, é inédito.

Um pergunta emerge do documentário. Israel conseguiu a paz com o Egipto e com a Jordânia, com devolução de terras e tudo mais, mas nunca com a Palestina. Porquê?

Shimon Peres queria ser a pomba da paz de Israel, e acreditava que era possível. Acreditava que era possível porque era Israelita, mas para o povo que está ressabiado pela ocupação dos territórios a paz é apenas um instrumento de ser ressarcido em parte de uma dívida. A paz pode ser um instrumento para a retaliação. A Palestina não consegue (ou não quer?) a paz. O Médio Oriente não quer a paz.

Quando a crispação entre povos dura décadas imensas há um povo que está em supremacia que quer a paz, e o outro que quer vingar a história e que só conhece a pulsão primária do ódio colectivo. Mesmo quando a razão quer a paz a alma não consegue converter-se.

Há uma certa hipocrisia no médio oriente. É que a Palestina nunca foi amada pelo mundo árabe. Mas é a martir da zona e nesse aspecto ganhou o respeito do médio oriente. Os países à volta odeiam mais Israel do que amam a Palestina, se não fosse assim já tinham ajudado ao processo de paz e à constituição do Estado da Palestina. Aliás vê-se no programa que a Palestina pede ao Irão que a ponha no mapa, não que expulse Israel.

A primeira coisa que ressalta é que (tal como sempre pensei) a Palestina não era nada antes da criação do Estado de Israel, nunca teve a atenção de ninguém do mundo muçulmano. A sua força e poder resulta da fraqueza de "terem sido ocupados". Até aos acordos de Oslo, não existia a identidade Palestina.

Nunca houve um Estado palestino. A margem ocidental era da Jordânia, nunca foi dos palestinianos. Gaza era dos Egípcios e estes nunca a deram aos palestinos. Os primeiros a reconhecerem a identidade palestina e o direito a uma terra deles, ironicamente, foi Israel.

Só em 27 de setembro de 2013, 134 (69,4%) dos 193 países-membros das Nações Unidas reconheceram a existência do Estado da Palestina.

Benjamin Netanyahu diz no documentário que Arafat nunca foi um homem de paz e esse foi o erro do Acordo de Oslo. Para o primeiro-ministro de Israel, Arafat não era sincero e iria usar os territórios que Israel lhe entregaria no âmbito do acordo, para atacar Israel "e confirmou-se". Arafat pôs fim ao processo de paz em 2000, na conferência de Camp David. Netanyahu diz que Arafat só deu em troca a Israel a Intifada que é a fonte do terror dos ataques suicidas nas cidades israelitas. "Israel saiu de Gaza, saiu dos colonatos, que era o que queria a Palestina", diz Netanyahu. Já os palestinos dizem que Israel saiu mas desarmou a exercito palestino de Gaza e que isso abriu o caminho ao Hamas que comprou armas em todos o lado, e acabou por fazer um golpe do Estado em Gaza.

Mas Israel não teme o Hamas ou o Hezbollah. Israel teme o Irão porque lhe pode lançar um ataque nuclear. Shimon Peres diz que o Iraque era apenas um problema para Israel, mas o Irão é um problema para o mundo. Porque pode torná-lo ingovernável, pode dar armas nucleares a terroristas, se perderem o sentido da responsabilidade.

Interessante e permite perceber as palavras de Trump na Arábia Saudita. "Tudo o que está a acontecer na Síria é culpa do regime iraniano”, disse Trump ao discursar perante os líderes de 55 países muçulmanos numa conferência na capital da Arábia Saudita, em que responsabilizou o Irão pela instabilidade na região e pelo que está a acontecer na Síria. O presidente norte-americano apelou a todas as nações para “trabalharem para isolar o Irão e [privá-lo] dos fundos que financiam o terrorismo”. 

O documentário sobre Shimon Peres é também sobre a constituição do Estado de Israel. Nele é referido que Shimon Peres foi injustamente esquecido na história do país, por exemplo no seu papel na operação de libertação de refugidados, a Operação Entebbe. Esteve sozinho, enquanto ministro da defesa (no Governo de Yitzak Rabin - Rabin e Peres não gostavam um do outro, mas aprenderam a trabalhar em conjunto mesmo não gostando um do outro), na decisão de libertar os refugiados sem ceder à chantagem dos terroristas. Mas o seu papel nessa operação apagou-se.

Nessa altura, entre 1974 a 1979, Shimon Peres era ainda "um falcão" e não "a pomba" em que veio a tornar-se, e ajudou mesmo a construir os primeiros colonatos de Samaria.

Shimon Pires torna-se o secretário geral do Partido Trabalhista (socialista) e muda de atitude, muito ativo na Internacional Socialista onde convive com todos os socialistas da época François Mitterand, Mário Soares, Olof Palme, Bruno Kreisky, muito favoráveis à causa palestina, e Shimon Peres torna-se uma pomba da paz. 

Nessa altura, em 1979, fica reactiva a central nuclear de Dimona o que faz de Israel uma potência nuclear. Shimon Peres acredita que agora que Israel é forte, pode dar-se ao luxo de ser socialista (parece a Europa). Desaparecendo a ameaça à existência do Estado de Israel, começa numa demárche pela causa da Palestina, pela paz com os vizinhos, porque agora havia riscos que podiam correr pela paz, que antes não podiam.

É preciso voltar atrás ao tempo do Kennedy, Shimon Peres constroi um reator nuclear (foi muito criticado na altura) em nome da paz, precisavam de estar protegidos de ameaças, "um holocausto em 100 anos, chega-nos", diz. Mas a desconfiança vale por si, e marca o ritmo dos acontecimentos, e está sempre um passo atrás da agressividade. Portanto o que ficou dessa iniciativa foi uma desconfiança sobre Israel.

Sobre a Europa Shimon Peres diz uma coisa intemporal: "A Europa tem sempre razão mas sempre demasiado tarde. Foi assim com Hitler, com os comunistas e pagou um preço muito alto". Shimon Peres acredita que vai ser assim com o Irão.

*Interessante a história do apoio da Alemanha. Joseph Strauss que era ministro da defesa e tinha combatido na segunda guerra, a brillant mind, segundo Peres que o convenceu a apoiar a criação do Estado de Israel. Explicou-lhe numa reunião de cinco horas que era muito novo e estava no batalhão de anti-aéreas e que sabia que não tinha grande futuro na Alemanha, porque era da Baviera, era filho de um homem do talho e era ministro da defesa, mas ajudou Peres com o suporte de Adenauer. Porque é que um alemão, que foi soldado no regime do Hitler apoia a criação do Estado judeu? Dizem que Strauss decidiu ajudar Shimon Peres por duas razões. Uma porque o Estado de Israel seria uma barreira à influência russa/comunista no Médio Oriente, e a outra foi pela culpa do que o regime nazi tinha feito ao povo judeu. Os alemães deram um imenso contributo, ao fornecerem todo o armamento de graça em segredo.

"Sem os dez mandamentos a civilização fica sem os seus fundamentos", disse Shimon Peres que morreu no ano passado em setembro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:16




Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •