Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O Fim da Era Espírito Santo (Aletheia)

por Maria Teixeira Alves, em 29.10.14

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:16

A carteira de crédito do BES, por Fernando Ulrich

por Maria Teixeira Alves, em 29.10.14

A carteira de crédito do Banco Espírito Santo é o retrato do percurso do banco. Fernando Ulrich principal candidato à compra do Novo Banco, expôs de forma clara o que todos comentam em surdina e ninguém se atreve a dizer às claras. Para isso baseou-se mais uma vez nas informações oficiais. «A carteira de crédito a empresas do BES era de 40,3 mil milhões de euros. Mas, destes, 23,6 mil milhões de euros estava concedido a empresas de cinco sectores: Construção e Obras Públicas; Activos Imobiliários; Actividades Financeiras (aqui são sobretudo holdings); Serviços Prestados às empresas (engloba muitas coisas, não sei bem o que é); Outras Actividades de Serviços Colectivos, que também engloba muitas coisas, incluindo clubes de futebol. Nestes segmentos o BPI tinha apenas 3,5 mil milhões de euros em crédito e eu fico muito contente de só termos 3,5 biliões nestes sectores onde o potencial de risco de crédito é significativo, maior do que o resto». O banqueiro continua: «Quando vamos ao resto às PME Exportadoras (texteis, calçado, papel, metalomecânica) o crédito e garantias do BES é de 16,7 mil milhões e o do BPI é de 10,2 mil milhões. É maior no BES, mas essa diferença não é tão grande quando se olha com mais atenção. O BPI é maior no crédito a particulares (um tem 13 bi e o outro 12 bi). No crédito que interessa o BES não era muito maior que o BPI. «Além disso em Imóveis, Unidades de Participação em Fundos de Recuperação, e em Fundos de Imobiliário que estão nas carteiras das seguradoras, o BES tinha 5,8 mil milhões e o BPI só 300 milhões e eu fico muito contente porque é uma zona que eu também não gosto. Por isso até vermos o balanço do Novo Banco auditado, e até fazermos uma due-dilligence, porque sendo nós um dos bancos interessados, vamos ter de fazer uma due-dilligence, não podemos garantir que os 4,9 mil milhões são suficientes, e se não forem haverá algum dano para a economia portuguesa, e afectaria todos os bancos do sistema». Atentem a estas sábias palavras. Há muita informação aqui nas entrelinhas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00

Evidências

por Maria Teixeira Alves, em 26.10.14

Desde que o BES e o GES implodiram, o Benfica nunca mais foi o mesmo.

Parabéns Sporting!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:13

Hiroshima Meu Amor, do Resnais

por Maria Teixeira Alves, em 25.10.14

 Hiroshima Meu Amor, de Alain Resnais, na RTP 2, quando já começava a duvidar que a qualidade existia.

 

- Tenho uma moral duvidosa.

- O que é uma moral duvidosa? 

- É duvidar da moral dos outros.
 
- Como era essa tua loucura em Nevers?
- A loucura é como a inteligência, não se pode explicar. Desce sobre ti consome-te e então a compreendes. Mas quando se vai já não a percebes mais.
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:21

O meu livro

por Maria Teixeira Alves, em 25.10.14

10616209_10152539971893732_2897419113194473181_n.j

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:25

Pobre condição a de jornalista

por Maria Teixeira Alves, em 20.10.14

Não posso deixar de me indignar de cada vez que almoço com alguém, virem a correr comentar que a pessoa x ou y foi vista a almoçar com uma «jornalista». 

Imaginem que eu era médica e de cada vez que me vissem a almoçar com alguém achassem que essa pessoa estava doente, era de doidos. Eu não sou apenas jornalista – sou mulher, sou amiga – nem estou 24 horas por dia a ser jornalista. Ser jornalista é uma profissão como outra qualquer. Eu tenho amigos, apesar e independentemente das profissões. De cada vez que me virem a almoçar com alguém mediático não pensem que estou «a sacar histórias», estou apenas a almoçar com amigos. Nada mais. Não limitem mais a liberdade do que ela está limitada por outras circunstâncias. Não criem juízos de valor fáceis. Obrigada!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:59

A Revolução Altruísta está a caminho

por Maria Teixeira Alves, em 17.10.14

Matthieu Ricard, escritor budista, dá hoje uma entrevista ao suplemento Weekend do Jornal de Negócios, em que diz uma coisa interessante e que é aliás o título: «A Revolução Altruísta Está a Caminho».

Deus queira que tenha razão, já vem tarde.
É a grande mudança cultural que é preciso imprimir, a cultura do altruísmo. Séculos de egoísmo, da filosofia dos interesses e do imperativo da partilha de vantagens, séculos de valor de sucesso, competição e de invejas não trouxeram a felicidade às pessoas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:24

E lá se vai o vapor…

por António Canavarro, em 17.10.14

 

Aqui por Santarém há três casas que vendem os ditos cigarros electrónicos, e todas elas tem o mesmo argumento comercial: é mais barato e faz menos mal do que os cigarros convencionais. Eu que sou um fumador fui levado a experimentar, e desde Agosto até agora tenho notado que, efectivamente, o “cigarro a vapor” é bem mais barato e seguramente menos nocivo...!

Porém, e como pude ler no Público, o governo não está no mesmo cumprimento de onda, pelo que, e como foi anunciado esta quarta-feira, na proposta de Orçamento de Estado para 2015, “o preço dos cigarros electrónicos vai aumentar 240% com o novo imposto”. Assim, e como adiantou ao jornal Tiago Machado, presidente da Associação Portuguesa de Cigarros Electrónicos (APECE), “produtos que custam actualmente 2,5 euros e que, com a nova tributação, passarão a custar 8,5 euros”.

Não entendo esta medida, como não concordo com ela por duas razões: por um lado, dá a entender que o governo (directa ou indirectamente) anda a ceder a pressões das tabaqueiras e, por outro, (uma vez mais) mostra que o governo, na ânsia de arrecadar dinheiro e cumprir metas, castiga sempre os mesmos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:15

Duas faces

por António Canavarro, em 14.10.14

A CML diz que as inundações se devem a chuva atípica. A chuva contrapõe dizendo que as inundações se devem a gestões camarárias atípicas.

A chuva tem razão. Fosse qual fosse a gestão camarária este é um cenário recorrente, fruto do desmazelo urbanístico que desde sempre caracteriza a cidade de Lisboa. Como é possível edificar-se uma cidade sob linhas de água e de ribeiras que, de um dia para o outro, desapareceram?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:25

Era isto

por Maria Teixeira Alves, em 11.10.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:22

Pág. 1/2




Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •