Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Vêm aí tempos perigosos

por Maria Teixeira Alves, em 30.12.09

Este título soa um bocadinho a Nostradamus. Mas o que pensar quando vemos os muçulmanos a fazerem manifestações de ódio ao ocidente? No Irão uma manifestação gritava morte aos EUA e Grã-Bertanha (esqueceram-se do Zapatero?). Um atentado falhado num avião que ia da Holanda para os Estados Unidos. Parece vir aí uma guerra santa. Mas será santa? O Ocidente tem hoje alguma fé? Num mundo votado ao individualismo e o narcisismo, o ama-te a ti mesmo acima de todas as coisas, substituiu o ama os outros como a ti mesmo e a Deus acima de todas as coisas.
No outro dia, ouvi um Padre (João Seabra) dizer uma coisa muito sábia: "A fé nos dias de hoje, tem uma hipótese. É que ela corresponde à natureza humana. Temos em nós o desejo do infinito". O desejo de infinito.... esse que está ameaçado por teoria culturais do corpo, da sexualidade como uma escolha "racional e consciente". Como se fosse a razão que determina o sexo e o desejo e ambos não fossem uma criação da natureza, com vista à preservação da espécie.
Quando a humanidade tenta revoltar-se contra as leis da natureza, não se lhe augura um bom fim. Para que nos querem declarar guerras santas, se nós já somos tão bons a destruirmo-nos a nós próprios?
O ser humano é dotado de uma capacidade de adaptação ao meio, que lhe é simultaneamente benéfica e trágica. Por isso estamos todos a adaptarmo-nos a esta nova vaga hedonista. O que leva à solidão e ao vazio, mas todos estão muito contentes porque são livres de escolher tudo e mais alguma coisa. Escolhem, escolhem, entram em psicose com a liberdade de escolha, e depois, no fim do dia, não estão felizes. Só não podem escolher não morrer! Porque a natureza é sempre soberana.
Hoje está na moda defender com grande fervor o Ambiente, mas paradoxalmente a palavra procriação entrou no léxico maldito. Hoje quando alguém defende a procriação, saem das tumbas umas vozes revoltadas. Procriação substituiu a palavra Adultério de décadas passadas. A letra escarlate de hoje terá de ser o P, de procriação. É condenado socialmente quem defende a procriação. Sobretudo quando vem associada ao casamento. É quase um pecado que o casamento tenha procriação!
Há alguns que acrescentam um prefixo 'só' para se sentirem menos desumanos. "Só procriação, não", gritam os arautos da liberdade. Pois, ter filhos tira a liberdade... coisa chata!
Para quê defender o ambiente, para que serve o ambiente quando já não houver pessoas?
A adopção, fala-se da adopção como uma forma de procriação para os seres que a natureza impediu de procriar (por alguma razão o fez). Mas alguém dará filhos para a adopção quando puderem abortar livremente e de graça? Ninguém, como é óbvio. Para os defensores do individualismo, é mais doloroso ter um filho vivo algures do que um embrião na pia. Quem defende o aborto para libertar a mulher dessa função vital que a natureza lhe reservou, está a limitar a liberdade ao individualismo e ao oportunismo contemporâneo. Ai, ai as mulheres e esta mania de serem livres da sua função de mulheres!
Hoje quando se defende a biologia e as leis da vida, o que as pessoas ouvem são mandamentos morais a abater. E cá estamos nós no niilismo. Os outros são seres a respeitar no seu espaço a que nos recusamos a invadir, para não sentir nada. Não estamos para nos chatear, queremos sopas e descanso.
Entrega ao outro? Isso é uma miragem.... o resultado é uma corrida aos livros de auto-ajuda... anda tudo à procura da receita de como ser feliz sem precisar dos outros. Olhem, não procurem mais, não há receita. Só se é feliz naquilo que a natureza nos criou. Somos seres de amor ao outro, na entrega, na complementaridade natural, fora disso não há nada, só uma momentânea satisfação e um circulo vicioso entre a culpa e a euforia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:53



Bloggers convidados

António Canavarro

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




Links

Blogs e Jornais que sigo

  •